Ordem dos Frades Menores Conventuais - Custódia Provincial Imaculada Conceição - Franciscanos Conventuais do Rio de Janeiro - PAZ & BEM!!!

quinta-feira, 25 de maio de 2017

Ministros Gerais Franciscanos insistem nas “experiências de comunhão”

Segundo o jornalista Gabriel López Santamaría, do site “Paz y Bien”, ao ouvir as reflexões dos três Ministros Gerais da Ordem Franciscana – Frei Marco Tasca, da Ordem dos Frades Menores Conventuais; Frei Michael Perry, da Ordem dos Frades Menores; e Frei Mauro Jöhri, da Ordem dos Frades Menores Capuchinhos – durante o Sétimo Congresso da Escola de Estudos Franciscanos (ESEF), que se encerra hoje (24/5) em Madrid (Esp), ficou para ele a certeza “de que a unidade das obediências acontecerá, antes ou depois, mas acontecerá”. Segundo o autor, os Ministros Gerais foram enfáticos ao animarem as bases a tomar a iniciativa de “provar” novas formas de comunidade e de fraternidade.

Frei Marco Tasca destacou que falando de fraternidade, é importante ter a coragem de tentar novas formas de comunidade. “Quando em uma Província, quatro ou cinco frades, depois de um discernimento, depois de um diálogo, querem provar algo novo, eu digo, provemos. O que pode acontecer? É muito importante ter hoje esta coragem. Este é o tempo das tentativas. Vamos tentar coisas! O que podemos perder? Provemos! E ver que coisas acontecem, pois nós estaremos por perto para acompanhá-los… mas não tenham medo de experimentar! … Eu disse isso a Sebastian (Mora, Secretário Geral da Cáritas da Espanha) de manhã. Nós temos o direito de falhar … E se falharmos … paciência”, disse o Ministro dos Conventuais, lembrando que fazemos as coisas só quando temos 100% de certeza.

A “unidade”, para a qual caminhamos, já é uma realidade em alguns projetos, como observou Frei Michael Perry, OFM: “Faz três anos que demos liberdade para aqueles irmãos que querem experimentar coisas novas, como a experiência de Emaús que começará em setembro, com cinco frades, dois OFM, dois OFMConv e um da Custódia Terra Santa”. Estas novas experiências não buscam tanto fortalecer os laços entre as obediências, mas sim buscam compartilhar missões específicas, como a da formação permanente”, observou.

Mas “missão em comum” não é algo novo, como Frei Michael explicou. Por exemplo, em Lusaka (Zâmbia) a formação conjunta é feita há 25 anos na Universidade São Boaventura e nas suas respectivas casas de formação.

“Todas essas experiências são indicativos de que a história é importante, mas não determinante”, comentou Perry, referindo-se à unidade.

Por sua parte, Frei Mauro Jhöri, OFMCap assinalou que “a realidade da colaboração é uma realidade crescente. Em um mundo cada vez mais multicultural, mas interligado, podemos construir todos os muros que queremos … mas isso não é o caminho, isso não funciona”. Neste contexto, esses “pequenos projetos significativos de viver juntos, de enfrentar dificuldades, porque elas existem e acho que isso é parte do que o Espírito está nos dizendo neste momento”.

Como se vê, pequenos projetos de vida em comum, em fraternidade, mas também grandes projetos de formação. De fato, como comentou, decidiram que a “formação de formadores” também se começa a realizar conjuntamente. Resta chegar a um acordo sobre os conteúdos e as formas, mas já se determinou fazer juntos. “Com base nas ideias concretas é que vamos nos aproximando, vamos nos conhecendo e chegará o dia em que diremos: O quê, agora trocaremos os hábitos?”, disse, brincando Frei Mauro.

Frei Marco tomou a palavra e disse que a primeira coisa que mudou é a relação entre eles, os Gerais. “Sim, temos muitas coisas a discutir, mas o fato de estar juntos simplifica muito as coisas. Este ano, por exemplo, vamos fazer nossos Exercícios Espirituais juntamente com os nossos Definidores, todos no Santuário La Verna … São pequenos sinais deste belo relacionamento a ser cultivado”, disse.

Frei Mauro, falando sobre a formação conjunta no Norte da Itália, disse: “Isso prepara um amanhã de comunhão, um amanhã estruturalmente diferente e convido a provar novas formas, por exemplo, fazer o noviciado em comum. As soluções jurídicas para isso as encontraremos, mas provai! Deixemos as teorias, vamos começar a fazer e depois veremos o que acontece”.

Os Gerais foram questionados sobre as formas de criação de espaços de participação e formação conjunta na Península Ibérica. A resposta de Frei Marco expressa, segundo a opinião de Gabriel López Santamaría, o caminho a seguir:”Muitas vezes, somos nós, os Gerais, que empurramos para estas experiências de comunhão, e eu gostaria muito, mas muito mesmo, que fossem as bases que nos dissessem: queremos fazer isso? O que lhe parece? … Vamos lá! Vamos lá! Somos prisioneiros das coisas que fazemos e estamos deixando os sonhos morrerem”.

Nestes tempos (e em todos) deveríamos, como disse Frei Michael, deixar Deus agir livremente: “Fala-se muito das realidades, mas isso não é suficiente, essa não é a principal razão para unificarmos. A principal razão, para mim, é o nosso carisma comum, a nossa identidade e nossa vocação comum. Eu não quero bloquear a graça de Deus, eu não quero impedir o que Deus quer para o nosso futuro e, dizendo isso, eu não quero bloquear a possibilidade de um futuro de unidade das três Ordens. Devemos abrir nossos corações. Eu não sei como podemos fazer isso, mas a graça de Deus é grande”.

Desse encontro sairá o Documento de Madri.

Tradução: Moacir Beggo

FONTE: http://www.franciscanos.org.br/?p=133775

quarta-feira, 24 de maio de 2017

Catedral é incendiada e sacerdote sequestrado

Roma, 24 Mai. 17 / 08:00 pm (ACI).- Um grupo terrorista que jurou lealdade ao Estado Islâmico (ISIS) atacou na terça-feira a Catedral de Marawi, na ilha filipina de Mindanao, e sequestrou um sacerdote, religiosas e vários fiéis que estavam rezando no último dia da novena a Nossa Senhora Auxiliadora.

Em declarações à agência vaticana Fides, o Bispo de Marawi, Dom Edwin de la Peña, assinalou que são militantes do grupo islamista Maute. “Atacaram a catedral católica em Marawi City, e sequestraram cerca de 15 fiéis, entre eles um sacerdote – o Pe. Chito Sunganob –, algumas religiosas e vários leigos que estavam rezando na igreja”, informou o Prelado.

O ataque em Marawi começou em 23 de maio às 12h, quando o exército filipino começou uma operação contra “alvos de alto valor” pertencentes aos grupos terroristas Abu Sayyaf e Maute na área comercial e residencial de Marawi.

Em represália, entre 100 e 200 homens armados apoiados por simpatizantes locais ocuparam o centro médico Amai Pakpak, em Marawi. Uma hora depois, o grupo terrorista ocupou a prisão e incendiou a instalação. Foram divulgadas na Internet imagens da bandeira negra do ISIS em vários lugares da cidade.

Mais tarde, a imprensa filipina informou dois incêndios em Dansalan College e na Catedral de Nossa Senhora Auxiliadora.

O Bispo disse à agência Fides que “isto ocorreu justamente na véspera da Festa de Maria: pedimos ajuda a Ela, que é o auxílio dos cristãos. Pedimos a salvação dos nossos fiéis. Somente ela pode vir em nosso socorro”.

“Dirigimos um apelo também ao Papa Francisco para que reze por nós e possa pedir aos terroristas para libertar os reféns, em nome de nossa comum humanidade. Violência e ódio trazem somente destruição: peçamos aos fiéis em todo o mundo para rezarem junto conosco pela paz”, pediu.

Dom Edwin de la Peña disse à Fides que “os fiéis estavam na igreja para rezar a Maria no último dia da novena. Os terroristas entraram na igreja, fizeram alguns reféns e os levaram para uma localidade desconhecida. Entraram na residência do Bispo e sequestraram o Vigário Geral, Pe. Teresito Soganub. Depois colocaram fogo na Catedral e na sede do episcopado. Tudo está destruído. Estamos consternados”, expressou.

Segundo a agência vaticana, o bispo foi salvo porque ontem estava em uma visita pastoral em um povoado distante de Marawi, uma cidade de maioria muçulmana.

Indicou que os terroristas ocuparam a cidade e as pessoas estão trancadas em suas casas. “Agora, estamos aguardando a reação do exército. Por enquanto é necessário retomar a cidade com o mínimo de mortes possível”.

“Não temos notícias dos reféns. Ativamos nossos canais, a Igreja, os líderes islâmicos e esperamos iniciar imediatamente as negociações para que sejam libertados sãos e salvos”, assinalou o Prelado e recordou que nos últimos meses a Igreja recebeu ameaças.

Por sua parte, o presidente da Conferência dos Bispos Católicos das Filipinas, Dom Sócrates Villegas, pediu aos fiéis que rezem pela segurança do Pe. Soganub e pelos outros reféns.

“Membros do grupo guerrilheiro Maute ameaçaram matar os reféns caso as forças do governo não se retirassem. Na medida em que as forças do governo garantirem que a lei será cumprida, pedimos que a segurança dos reféns seja primordial”, solicitou o Prelado.

Em resposta ao ataque, o presidente Rodrigo Duterte interrompeu a sua visita a Moscou para voltar às Filipinas, declarando a lei marcial no sul do país, onde o grupo islâmico atua.

sábado, 13 de maio de 2017

Jacinta e Francisco Marto são canonizados

São as duas primeiras crianças não mártires a ser elevadas à categoria de santos pela Igreja Católica. Papa Francisco presidiu à missa no santuário de Fátima

O Papa Francisco canonizou às 10:26 (Horário local) deste sábado, no santuário de Fátima, os pastorinhos Jacinta e Francisco Marto.

O Sumo Pontífice disse que os novos santos são um exemplo e elogiou Nossa Senhora de Fátima que, a partir de um “esperançoso Portugal”, abençoou a Igreja Católica há cem anos.

“Como exemplo, temos diante dos olhos São Francisco Marto e Santa Jacinta, a quem a Virgem Maria introduziu no mar imenso da Luz de Deus e aí os levou a adorá-Lo”, afirmou Francisco na homilia da eucaristia, que encerra a peregrinação de maio à Cova da Iria, já depois da cerimónia de canonização.

Para o Papa, “daqui lhes vinha a força para superar contrariedades e sofrimentos”, destacando que “a presença divina tornou-se constante nas suas vidas”.

Antes, Papa Francisco recordou os acontecimentos de 13 de maio de 1917 e o relato de Jacinta de que tinha visto a Virgem.

“A Virgem Mãe não veio aqui para que a víssemos. Para isso teremos a eternidade inteira, naturalmente, se formos para o Céu. Mas Ela, antevendo e advertindo-nos para o risco do Inferno onde leva a vida – tantas vezes proposta e imposta – sem-Deus e profanando Deus nas suas criaturas, veio lembrar-nos a Luz de Deus que nos habita e cobre."

Francisco referiu-se, de novo, à Mensagem de Fátima e às palavras da irmã Lúcia: “E, no dizer de Lúcia, os três privilegiados ficavam dentro da Luz de Deus que irradiava de Nossa Senhora. Envolvia-os no manto de Luz que Deus Lhe dera."

Para Francisco, “no crer e sentir de muitos peregrinos, se não mesmo de todos, Fátima é sobretudo este manto de luz”.
Um manto que "nos cobre, aqui como em qualquer outro lugar da Terra quando nos refugiamos sob a proteção da Virgem Mãe”, frisou, pedindo aos “queridos peregrinos” que, agarrados à Virgem, vivam “da esperança que assenta em Jesus”. Aos milhares de fiéis, o Papa Francisco expressou ainda o desejo de que “seja esta esperança a alavanca da vida de todos”.


“Com esta esperança, nos congregamos aqui para agradecer as bênçãos sem conta que o Céu concedeu nestes cem anos, passados sob o referido manto de Luz que Nossa Senhora, a partir deste esperançoso Portugal, estendeu sobre os quatro cantos da Terra."

Antes, o Papa Francisco fez um minuto de oração junto aos túmulos dos pastorinhos Jacinta e Francisco Marto, na Basílica de Nossa Senhora do Rosário de Fátima. 

Estas são as duas primeiras crianças não mártires a ser elevadas à categoria de santos pela Igreja Católica.
O Papa fez ainda uma oração junto ao túmulo da irmã Lucia.

As "boas obras" de Francisco e Jacinta

O bispo de Leiria-Fátima pediu ao Papa para canonizar Francisco e Jacinta Marto, evocando os traços de espiritualidade dos dois irmãos, que os leva a ser "espelho da luz de Deus na prática das boas obras".
Na petição e apresentação da biografia dos novos santos, Antônio Marto disse que “os traços de espiritualidade dos dois irmãos assumem uma vocação inseparavelmente contemplativa e compassiva, que os leva a ser espelho da luz de Deus na prática das boas obras”.

“Santo Padre, pede a Santa Mãe Igreja que Vossa Santidade inscreva os Beatos Francisco Marto e Jacinta Marto no Catálogo dos Santos e, como tais, sejam invocados por todos os cristãos”, disse o prelado.
O bispo de Leiria-Fátima recordou, também, que os dois pastorinhos “cresceram num ambiente familiar e social modesto, profundamente cristão". "A sua educação cristã simples, mas sólida, teve como principais agentes seus pais, que foram para eles um exemplo de fé comprometida, de respeito por todos, de caridade para com os pobres e os necessitados”, acrescentou.

“Em 1916, na primavera, no verão e no outono, veem o Anjo da Paz. Entre maio e outubro de 1917, em cada dia 13 (em agosto, no dia 19) foram visitados pela Virgem Maria, a Senhora do Rosário. Na primeira aparição, em 13 de maio de 1917, a Santíssima Virgem fez-lhes um convite: ‘Quereis oferecer-vos a Deus?’. Com sua prima, Lúcia, responderam: ‘Sim, queremos’. A partir dessa data viveram as suas vidas entregues a Deus e aos Seus desígnios de misericórdia."

O bispo aludiu ainda ao “jeito pacífico e sereno” de Francisco e ao “caráter carinhoso e expansivo” de Jacinta.
“Recentemente, Vossa Santidade autorizou que a Congregação Para as Causas dos Santos promulgasse o decreto do milagre atribuído à intercessão dos Beatos Francisco e Jacinta. Por fim, no consistório de 20 de abril deste ano, Vossa Santidade estabeleceu a data da canonização destes mais jovens beatos da história da Igreja para este dia 13 de maio de 2017, durante a peregrinação ao Santuário de Fátima, na celebração do Centenário das Aparições da Santíssima Virgem, Senhora do Rosário”, recordou.

O encontro com Costa

Francisco saiu às 9:35 da Casa Nossa Senhora do Carmo, Fátima, depois do encontro com o primeiro-ministro, António Costa.

O encontro terá durado aproximadamente 30 minutos. Nele, o primeiro-ministro expressou a vontade de Portugal colaborar na promoção dos valores da proteção dos mais frágeis, como o acolhimento aos refugiados, a promoção da paz nas instâncias internacionais e o desenvolvimento de África.

António Costa contou aos jornalistas que levou "uma palavra de respeito, de gratidão" pela visita, mas também "a vontade de Portugal, enquanto Estado em colaborar na promoção daqueles valores que têm sido causas importantes" para Francisco, "designadamente a proteção dos seres humanos que estão numa situação mais frágil".

"O apoio que temos dado aos refugiados, a grande preocupação que o Santo Padre tem revelado relativamente à necessidade de desenvolvimento do continente africano e as responsabilidades que Portugal tem nessa matéria, a colaboração para a paz em todo o mundo e a construção quer ao nível das Nações Unidas, quer ao nível sobretudo da União Europeia, de novas uniões de valores para defesa da dignidade da pessoa humana", relatou António Costa sobre os temas falados no encontro.

Depois do encontro, o Papa saiu num carro escuro, mas parou para benzer um bebê que estava nas imediações. Seguiu depois, com a janela aberta, a saudar os peregrinos que o aguardavam.
Também à entrada da basílica, o Papa Francisco esteve junto a bebês e recebeu uma oferta de uma criança.
O primeiro-ministro estava acompanhado pela mulher e saudou os populares à saída, dirigindo-se para a colunata sul do Santuário de Fátima, onde assiste à missa junto ao Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

Uma família de refugiados

O Papa esteve ainda com uma família de oito refugiados iraquianos de origem palestiniana que vivem na Batalha.
A família de refugiados formada por oito pessoas oriundas do Iraque entrou na casa onde o líder da Igreja Católica pernoitou juntamente com membros do Governo.
O Papa já conheceu a família em 2016 num campo de refugiados perto de Roma, durante a semana santa pascal.
Sensibilizado pela história da família, que inclui fugas da Palestina para o Iraque (em 1954) e da Síria para a Europa, que incluiu um percurso marítimo até à ilha italiana de Lampedusa, o Papa manteve o contacto com os refugiados que vivem hoje na Batalha, perto de Fátima.

Apesar de muçulmanos, a família tem uma grande devoção a Nossa Senhora por ser mãe de Jesus Cristo, considerado um dos profetas do islão, precursor de Maomé.
Depois de conseguir o estatuto de refugiados o estatuto de refugiados em Itália, foram selecionados num programa de realojamento da União Europeia e estão hoje a viver na Batalha.

Mensagem no Twitter

Durante a manhã, o Papa Francisco não deixou de publicar uma mensagem no Twitter relacionada com a sua peregrinação a Fátima.

Sempre que olhamos para Maria, voltamos a acreditar na força revolucionária da ternura e do carinho.— Papa Francisco (@Pontifex_pt) 13 de maio de 2017

Fonte: http://www.tvi24.iol.pt/sociedade/fatima/veja-a-canonizacao-de-jacinta-e-francisco-em-direto

sexta-feira, 5 de maio de 2017

Morre Irmã Míria T. Kolling


EM TUAS MÃOS, SENHOR!

A Congregação das Irmãs do Imaculado Coração de Maria, com muito pesar comunica o falecimento da querida Irmã Miria Teresinha Kolling. A sua morte nos pegou de surpresa e a levou de nós tão rapidamente. Neste momento de dor e consternação, só nos cabe pedir a Deus que a ilumine e lhe dê o repouso eterno, e que Deus dê conforto aos seus familiares, à sua Comunidade, a todas as pessoas que amam Irmã Miria, para que possam enfrentar esta imensurável dor com fé e com serenidade.

"A vida prá quem acredita, não é passageira ilusão, e a morte se torna bendita, porque é nossa libertação". "Os olhos jamais contemplaram, ninguém pode explicar, o que Deus tem preparado àquele que em vida o amar". Esta foi a crença de nossa querida Irmã Miria ao escrever as canções relativas ao falecimento de entes queridos.

Hoje, a própria Irmã Miria está na presença de Deus, contemplando face a face o que Deus preparou para ela, que O amou intensamente por toda a sua vida.

Irmã MIRIA THEREZINHA KOLLING há 57 anos foi Religiosa da Congregação do Imaculado Coração de Maria. Nascida em Dois Irmãos, Rio Grande do Sul - Brasil, desde cedo aprendeu na família a amar e cultivar a música. Na Congregação teve oportunidade de aprofundar seus estudos musicais. Como compositora de música litúrgica e religiosa, conhecida sobretudo pelas Missas e cantos litúrgicos, para as Celebrações. Além de cantos para a catequese e evangelização, compôs mais de 600 músicas, em geral com letra e música de sua autoria.

Em nome da Congregação das Irmãs do Imaculado Coração de Maria, agradecemos a doação de Ir. Miria, que se deixou iluminar e conduzir pela Divina Ruah, na composição das belíssimas canções que, com poesia e musicalidade contribuem ao enriquecimento da Liturgia, à aproximação das pessoas e ao encontro com Deus.

Segundo Frei Patrício Sciadini, "Irmã Miria foi uma alma contemplativa, que compreendeu o desejo religioso mais profundo do ser humano, traduzindo-o em música que eleva a Deus. Através de seus cantos, o povo reza, medita a Palavra, se sustenta na luta, sempre atento aos sinais dos tempos que questionam e evangelizam." O seu dom, colocado a serviço da Igreja, dará frutos abundantes e saborosos para a honra e glória de Deus.

VELÓRIO E SEPULTAMENTO
O velório será realizado durante o sábado (06) no Educandário São José do Belém, situado à Rua Belém, 129, bairro Belenzinho, São Paulo/SP. A Missa de Corpo Presente será na Igreja Matriz de São José do Belém, seguido de sepultamento no domingo, ainda sem horário definido.

Irmã Marlise Hendges
Diretora Geral
Congregação das Irmãs do Imaculado Coração de Maria

Fonte:http://www.irmamiria.com.br/Pages/Conteudo.aspx?noticiaartigo=270

EDITORIAL: Irmã Míria marcou a vida de muitos fiéis com suas canções!  Partilhando a vida com alegria, humildade e simplicidade o seu vasto conhecimento musical. Uma pessoa afável e terna como suas canções! Com muitas matérias sobre a liturgia e canto litúrgico, algumas aqui em nosso blog, esclarecendo de como louvar melhor a Deus, como dizia "Sustentar com arte a louvação"! Descanse em paz Irmã! Que suas canções continuem se espalhar e a ecoar por toda a terra!

"Triste seria o mundo e sem consolo o pranto se não houvesse o canto para elevar aos céus!"

"A certeza que vive em mim, é que um dia verei a Deus, contemplá-Lo com os olhos meus é a felicidade sem fim!"

Para quem não conheceu Irmã Míria um pouco sobre ela por ela mesma!
http://www.irmamiria.com.br/Pages/Conteudo.aspx?conteudo=7

Os Mais Vistos