Ordem dos Frades Menores Conventuais - Custódia Provincial Imaculada Conceição dos Franciscanos Conventuais do Rio de Janeiro - PAZ & BEM!!!

domingo, 27 de julho de 2014

Ordenação Diaconal de Franciscanos

No próximo dia 02 de agosto, dia que a Família Franciscana celebra Santa Maria dos Anjos, Rainha e advogada da Ordem dos Menores e patrona da nova Província Norte Americana da qual nossa Custódia faz parte, acontecerá em Paraíba do Sul interior do estado do Rio de Janeiro às 10 horas da manhã, a Ordenação Diaconal de cinco Frades Menores Conventuais: Frei Fábio, Frei Leonardo, Frei Marcelo, Frei Michel e Frei Paulo pelas mãos do bispo da diocese local Dom Nelson, na Paróquia São Pedro e São Paulo! Contamos com a presença e as orações de todos nossos amigos, familiares e benfeitores:



terça-feira, 15 de julho de 2014

São Boaventura vida e personalidade

Queridos irmãos e irmãs,
Hoje eu quero falar sobre São Boaventura de Bagnoregio. Confesso que, ao propor isso, sinto uma certa nostalgia, porque eu acho que a pesquisa que, como um jo

vem estudioso, percebi apenas o autor, especialmente importante para mim. Seu conhecimento grandemente influenciado na minha formação. Com grande alegria, há alguns meses atrás eu fiz uma peregrinação à sua terra natal, Bagnoregio, uma pequena cidade italiana Lazio, que guarda a sua memória com veneração.
Provavelmente nasceu em 1217 e morreu em 1274; viveu no século XIII, época em que a fé cristã, que tinha penetrado profundamente na cultura e na sociedade da Europa, inspirou obras imperecíveis no campo da literatura, artes visuais, filosofia e teologia. Entre as grandes figuras cristãs que contribuíram para a composição desta harmonia entre fé e cultura destaca Buenaventura, homem de ação e contemplação, de profunda piedade e prudência no governo.
Seu nome era Giovanni da Fidanza. Um episódio que aconteceu quando ele ainda era uma criança profundamente influenciado sua vida, como ele diz [LM Prol., 3]. Foi afetada por uma doença grave e até mesmo seu pai, um médico, esperando e salvá-lo da morte. Em seguida, sua mãe recorreu à intercessão de São Francisco de Assis, canonizado recentemente. E Giovanni curado.
A figura do "Poverello" de Assis tornou-se ainda mais familiar para ele alguns anos mais tarde, quando ele estava em Paris, onde estudou. Ele havia obtido o diploma de Master of Arts, o que poderia comparar com o de uma escola de prestígio no nosso tempo. Naquela época, como muitos jovens do passado e de hoje, Giovanni foi levantada uma questão crucial: "O que devo fazer com a minha vida." Fascinado pelo testemunho de fervor e radicalidade evangélica dos Frades Menores, que tinha vindo a Paris em 1219, Giovanni bateu à porta do convento franciscano daquela cidade, e pediu para ser recebido na grande família dos discípulos de Francisco. Muitos anos mais tarde, ele explicou as razões para a sua escolha: em São Francisco e do movimento que passou a reconhecer a ação de Cristo. Em uma carta endereçada a outro frade escreveu: "Confesso diante de Deus que a razão que me levou a amar a vida do beato Francisco é que ele se parece com o início eo crescimento da Igreja. A Igreja começou com simples pescadores e em seguida enriqueceu doutores muito ilustres e sábios; religião do Beato Francisco não foi estabelecida pela sabedoria dos homens, mas por Cristo "( Epistula ad magistrum innominatum quaestionibus tribal , em Opere di San Bonaventura . Introduzione generale, Roma 1990, p. 29).
Assim, por volta de 1243 Giovanni vestiu o hábito franciscano e tomou o nome de Buenaventura. Em seguida, ele foi designado para os estudos, e se matriculou na Faculdade de Teologia da Universidade de Paris, onde ele perseguiu um conjunto de cursos muito difíceis. Recebeu vários títulos necessários para uma carreira acadêmica, enquanto o "Bacharel bíblico" e "Bachelor sentenciario". Então Buenaventura minuciosamente estudados Escritura, as Sentenças de Pedro Lombardo, teologia Manual do tempo, e os autores mais importantes da teologia e em contato com professores e alunos que se reuniram para Paris de toda a Europa amadureceu sua própria reflexão pessoal e sensibilidade espiritual de grande valor, ao longo dos anos seguintes, ele incutiu em seu trabalho e em seus sermões, tornando-se assim um dos teólogos mais importantes da história da Igreja. É importante lembrar o título da tese a ser defendida habilitado para ensinar teologia, licentia docendi localizar , como era chamado. Sua dissertação foi intitulada: Perguntas sobre o conhecimento de Cristo . Este tópico demonstra o papel central que Cristo era sempre a vida e os ensinamentos de Buenaventura. Nós certamente podemos dizer que todo o seu pensamento foi profundamente cristocêntrico.
Naqueles anos, em Paris, a cidade de adoção Buenaventura explode uma polêmica violenta contra os Frades Menores de São Francisco de Assis e os Frades Pregadores de São Domingos de Gusmão. Desafiado seu direito de ensinar na Universidade, e até mesmo questionou a autenticidade da sua vida consagrada. Certamente, as mudanças introduzidas pelas ordens mendicantes na maneira de entender a vida religiosa, eu falei para em minhas reflexões anteriores, eram tão inovadoras que nem todo mundo veio para entender. Ele também acrescentou, como às vezes acontece mesmo entre pessoas sinceramente religiosas, motivos de fraqueza humana, como a inveja e o ciúme.

Buenaventura, embora cercado pela oposição dos outros professores universitários, tinha começado a ensinar no departamento de teologia dos Franciscanos e, para responder a quem criticou as Ordens Mendicantes, escreveu um artigo intitulado A perfeição evangélica ; que mostra como as Ordens Mendicantes, especialmente os Frades Menores, praticando os votos de pobreza, castidade e obediência, seguiu o conselho do Evangelho. Além destas circunstâncias históricas, o ensinamento de Buenaventura neste trabalho e na vida permanece até hoje: a Igreja é graças mais brilhantes e bonitas para a fidelidade à vocação desses filhos e filhas daqueles que possuem não só colocar em praticar os preceitos evangélicos, mas pela graça de Deus, são chamados para salvar as dicas e assim testemunhar, o seu estilo pobre, casto e obediente vida, de que o Evangelho é fonte de alegria e perfeição.
O conflito diminuiu, pelo menos por algum tempo, e, por intervenção pessoal do Papa Alexandre IV em 1257, Boaventura foi reconhecido oficialmente como um médico e professor da Universidade de Paris. No entanto, eu tinha que dar a este lugar de prestígio porque nesse ano o Capítulo Geral da Ordem eleito Ministro Geral.
Ele ocupou esse cargo por 17 anos com sabedoria e dedicação, visitando as províncias, escrevendo aos irmãos nunca falar com uma certa severidade para eliminar os abusos. Quando Buenaventura começou este serviço, a Ordem dos Frades Menores havia desenvolvido prodigiosamente: os monges espalhados por todo o Ocidente foram mais de 30.000, com presença missionária na África do Norte, Oriente Médio, e mesmo em Pequim. Era preciso consolidar esta expansão e, acima de tudo, dar-lhe unidade de ação e espírito, mantendo plena fidelidade ao carisma de Francisco. De fato, entre os seguidores de São Francisco de Assis teve diferentes formas de interpretar a mensagem, na verdade, havia o risco de uma fratura interna. Para evitar este perigo, em 1260, o Capítulo Geral da Ordem em Narbonne aceitou e ratificou uma proposta de texto para Buenaventura, que foram coletadas e as normas que regem a vida diária dos Frades Menores foram unificados. Buenaventura sentiu, no entanto, que a legislação, apesar de inspirado pela sabedoria e moderação, não foram suficientes para garantir a comunhão do espírito e dos corações. Era necessário que os mesmos ideais e compartilham as mesmas motivações.
Por esta razão, Buenaventura queria apresentar o autêntico carisma de Francisco, sua vida e de ensino. Assim, zelosamente coletados documentos relacionados com o "Poverello", e ouviu atentamente as memórias daqueles que haviam conhecido diretamente Francisco. Assim nasceu uma biografia de São Francisco de Assis fundou bem historicamente, intitulada Legenda Maior [major vida = LM], também escrito de forma mais sucinta e chamadaLegenda minor [Lenda menor = Lm]. A palavra latina, ao contrário do italiano, não indica um fruto da imaginação, mas, pelo contrário, " Legenda "significa um texto autorizado," ler "oficialmente. De fato, o Capítulo Geral dos Frades Menores em 1263, realizado em Pisa, reconheceu na biografia de mais fiel retrato de São Boaventura do fundador e tornou-se a biografia oficial do santo.
Qual é a imagem de São Francisco que vem do coração e uma caneta do seu filho devoto e sucessor, São Boaventura? O ponto essencial é Francisco alter Christus , um homem que buscou apaixonadamente Cristo. No amor unidades imitação, conformou totalmente com ele. Buenaventura afirmou este ideal vivo a todos os seguidores de Francisco. Este ideal, válido para todos os cristãos, ontem, hoje e para sempre, foi apontado como o programa para a Igreja do terceiro milênio pelo meu predecessor, o Venerável João Paulo II. Esse programa, escreveu em sua carta Novo Millennio Ineunte , concentra-se "em Cristo, que é para ser conhecido, amado e imitado, para viver a vida trinitária e com Ele transformar a história até à sua plenitude na Jerusalém celeste" ( n. 29).
Em 1273, a vida de São Boaventura conheceu outra mudança. Papa Gregório X quis consagrar um bispo e cardeal. Ele também pediu para preparar um importante evento eclesial: o Concílio Ecuménico de Lião, que teve como objetivo restaurar a comunhão entre a Igreja latina ea grega. Dedicou-se a esta tarefa com diligência, mas não conseguiu ver a conclusão de que a assembleia ecuménica, porque ele morreu durante o evento. Um notário papal anónimo compôs um elogio de Buenaventura, o que nos dá um retrato conclusivo deste grande santo e excelente teólogo: "Homem bom, afável, piedoso e misericordioso, cheio de virtudes, amado por Deus e pelos homens ... Na verdade Deus havia concedido uma grande graça, que todos os que vi foram invadidas por um amor que não conseguia esconder o coração "(cf. JG Bougerol, Bonaventura , A. Vauchez (um padre), Storia dei santi e della Christian santità . vol. VI. L'era de Rinnovamento evangélico , Milano 1991, p. 91).
Colete a herança deste santo doutor da Igreja, que nos lembra do significado de nossa vida com as seguintes palavras: "No mundo ... podemos contemplar a imensidão divina através do raciocínio e admiração; na pátria celeste, no entanto, através da visualização, quando será feita como Deus, e através do êxtase ... entramos na alegria de Deus "( O conoscenza di Cristo , q. 6 conclusione , em Opere di San Bonaventura . Opuscoli Teologici / 1, Roma, 1993, p. 187).
[No que diz respeito , o Papa acrescentou:]
Saúdo os peregrinos de língua espanhola, especialmente as Irmãs Franciscanas de Madrid, jovens a partir de Valência, Granada e Madrid, os membros da Associação Católica de Propagandistas, bem como grupos da Espanha e América Latina. Colete a herança deste santo doutor da Igreja, um homem de ação e contemplação, de profunda piedade e grande prudência no governo, que com o seu exemplo nos lembra a centralidade do Evangelho na vida cristã. Muito obrigado.

(Catequese na Audiência Geral de quarta-feira 3 de março, 2010)
L'Osservatore Romano, edição semanal em espanhol, 7-III-10]
Fonte:http://www.franciscanos.org/docpontificios/sanbuenaventurab16.htm

Solenidade de São Boaventura

O fogo de amor que ardeu no coração de Francisco de Assis pelo Evangelho e pelo Cristo Pobre e crucificado, ardeu no coração de nosso patrono Boaventura.
Este amor ardoroso foi o norteador da vida e da vocação de Boaventura (1218), que se manifestou, sobretudo pelo zelo e dedicação à Igreja e a Ordem dos Menores. “Homem de ação e de contemplação, de profunda piedade e de prudência”. Afirma-nos Bento XVI.
Quando menino recebeu uma graça pela intercessão de São Francisco de Assis, que tinha sido recém canonizado, ficando curado de uma grave doença que o levaria a morte... Esta graça foi à primeira experiência, o primeiro contato de admiração e gratidão para com o santo de Assis, que um pouco mais tarde ao ver a vida e o modo simples de ser dos “filhos de São Francisco” na Universidade de Paris, onde adquiriu o título de Mestre das Artes, o impele a seguir estes passos da minoridade, entrando na Ordem Franciscana presente naquela cidade por volta do ano de 1243 onde deixou de se chamar Giovanni da Fidanza.
Boaventura foi um grande estudioso dos Mistérios divinos, sobretudo no aprofundamento das Sagradas Escrituras tendo como fundamento a “Schola Amoris” de São Francisco de Assis e com muito empenho vai se destacando nos estudos acadêmicos.
Diria-nos o Santo Padre: “com os mestres e os estudantes que afluíam a Paris de toda a Europa, amadureceu a sua reflexão pessoal e uma sensibilidade espiritual de grande valor que, durante os anos seguintes, soube transferir para as suas obras e os seus sermões, tornando-se assim um dos teólogos mais importantes da história da Igreja.”
Foi um grande defensor e das Ordens Mendicantes, que estavam presentes, na Universidade, como docentes e estudantes, escrevendo a obra Perfeição Evangélica apontando os valores da vida religiosa e a autenticidade dos votos evangélicos como sinal do Reino de Deus e da alegria vinda do Evangelho.
Em 1257 com o apoio do papa Alexandre IV, recebeu o título de doutor e mestre da Universidade parisiense, porém teve que renunciar a este cargo, por ter sido eleito, neste mesmo ano, Ministro Geral da Ordem dos Menores na qual governou por 17 anos com muito zelo, prudência e sabedoria. 
Como o número dos frades neste tempo era muito grande e estavam espalhados por várias partes do mundo, fez-se necessário escrever algumas exortações contra os abusos a fim de guardar a fidelidade a Regra e aos ensinamentos do Poverello de Assis. Escreve então duas legendas para resguardar a biografia do Santo de Assis, de forma mais históricas, porque haviam vários escritos alguns com interpretações fantasiosas sobre Francisco e o modo de vida dos primeiros frades.
Com a aprovação do Capítulo de Pisa de 1263 nasceu a legenda maior e legenda menor como sendo os escritos oficiais sobre a vida e o carisma de São Francisco. Nestas obras, feita com muita devoção e dedicação, Boaventura apresenta Francisco como o alter christus, ou seja, como o homem que ardente de amor ao Cristo, se aproximou tanto do Mestre de Nazaré que fez da sua vida uma conformação com a vida e o jeito de ser de Jesus. Esta conformação é o modelo e exemplo para todos que querem seguir os passos de Francisco de Assis, onde o Cristo é o centro a ser conhecido, imitado, amado, vivido. Deixando-se arder até a medula, pelo fogo ardoroso do Espírito Santo (Itinerário para Deus). Percebemos que esta mensagem de Boaventura não é só destinada para os Frades Franciscanos, mas para todo o povo de Deus.
Por sua fiel vida de oração e contemplação, do qual instituiu para Ordem a oração do ângelus, o “Doutor Seráfico” foi feito ainda Bispo e Cardeal da Igreja de Jesus, auxiliando-a na elaboração do Concílio de Lion em 1273, no entanto, não pode ver os frutos desde concílio por que morreu no ano de 1274, mas sua sabedoria e humildade brilharam como luz na Igreja e na Ordem seráfica. 
O fogo de amor que ardeu no coração de Francisco de Assis ardeu no coração de São Boaventura, e quiçá arderá em nossos corações de vocacionados ao seguimento do Cristo Pobre e Crucificado e aos devotos do nosso querido patrono São Boaventura.


                                                                  Pax Bonumque

                                                                              + + +

sexta-feira, 11 de julho de 2014

Por uma Igreja que pensa

Por: Padre Zezinho,scj

Leitores que não preparam as leituras.
Cantores que não ensaiam os cantos.
Coroinhas que não ensaiam sua parte.
Sacerdotes que não preparam seus sermões.
Catequistas que não lêem os documentos da Igreja.

Pregadores que não leram o catecismo.
Cantores de desafinados que insistem em liderar os cantos da missa.
Músicos sem ritmo e sem ensaios que tocam alto e errado.
Cantores que dão show de uma hora
sem perceber que a guitarra e o baixo estão desafinados.
De quebra, também um dos solistas…

Autores que não aceitam corrigir seus textos e suas letras,
antes de apresentá-los a milhões de irmãos na fé.
Cantores que teimam em repetir uma canção
cuja letra o bispo já disse que não quer que se cante mais.
Párocos que permitem que qualquer um lidere as leituras e o canto.
Párocos que permitem qualquer canção, mesmo se vier errada.

Sacerdotes que ensinam doutrinas condenadas pela Igreja,
práticas e devoções com ranços de heresia ou de desvio doutrinário.
Animadores de programas católicos com zero conhecimento de doutrina.

***

Parecemos um hospital que, na falta de médicos na sala de cirurgia,
permite aos secretários, porteiros e aos voluntários bem intencionados que operem o coração dos seus pacientes.

Há católicos aconselhando, sem ter estudado psicologia.
Há pregadores receitando, sem conhecer a teologia moral.
E há indivíduos ensinando o que lhes vem na cabeça,
porque, entusiasmados com sua fama e sua repercussão,
acham que podem ensinar o que o Espírito Santo lhes disse naquela hora.

Nem sequer se perguntam se de fato era o Espírito Santo que lhes falou
durante aquela adoração, ou aquela noite mal dormida!

Está faltando discernimento na nossa Igreja!
Como está parece a casa da mãe Joana,
onde todos falam e apenas uns poucos pensam no que falam.
Uma Igreja que não pensa acaba dando o que pensar!

quinta-feira, 10 de julho de 2014

Motu Proprio do Papa Francisco – Seção Ordinária da APSA transferida para a Secretaria para a Economia



A Secção Ordinária da APSA – Administração do Património da Sé Apostólica foi transferida para o âmbito de ação da Secretaria para a Economia. O Papa Francisco tomou esta decisão em forma deMotu Proprio publicando nesta quarta-feira uma Carta Apostólica.
Esta decisão está em linha com o que ficou expresso no Concílio Vaticano II em que se destaca a necessidade de conformar a organização da Santa Sé às necessidades dos tempos, adequando a estrutura dos Dicastérios da Cúria Romana às reais exigências da Igreja em cada momento.
O Papa Francisco recorda que com a promulgação, em 24 de fevereiro de 2014, da Carta Apostólica, em forma deMotu Proprio, Fidelis Dispensator et Prudens, foi instituída a Secretaria para a Economia como Dicastério da Cúria Romana, que tem como competência o controlo económico e a vigilância sobre os Dicastérios da Cúria Romana, sobre instituições ligadas à Santa Sé e sobre as administrações do Estado da Cidade do Vaticano.
Ao acolher o parecer dos Chefes dos Dicastérios interessados, o Papa Francisco considerou oportuno que a Secretaria para a Economia passasse a assumir a partir de agora, de entre as suas tarefas institucionais, aquelas atribuídas à denominada “Secção Ordinária” da Administração do Património da Sé Apostólica e, portanto, de transferir ao referido Dicastério as competências que a Constituição Apostólica Pastor Bonus de 28 de junho de 1988 havia atribuído à referida Secção da Administração do Património da Santa Sé.
Em função disto, após ter examinado com cuidado todas as questões que dizem respeito à matéria e pedido o parecer dos Dicastérios competentes e de especialistas, o Papa Francisco estabelece e decreta o seguinte:

Artigo 1
O texto do artigo 172 da Constituição Apostólica Pastor Bonus é integralmente substituído pelo texto seguinte:
§1. Compete a este Gabinete administrar os bens de propriedade destinados a fornecer os fundos necessários ao cumprimento das funções da Cúria Romana.
§2. O Gabinete administra também os bens móveis a ele confiados por outras entidades da Santa Sé.

Artigo 2
O texto do artigo 173 da Constituição Apostólica Pastor Bonus é integralmente substituído pelo texto seguinte:
O Gabinete é presidido por um Cardeal, assistido por um determinado número de Cardeais e por um Prelado Secretário.

Artigo 3 
São revogados os artigos 174 e 175 da Constituição Apostólica Pastor Bonus.

Artigo 4
O Prefeito da Secretaria para a Economia constituirá uma Comissão técnica com o objetivo de facilitar a transferência de competências até agora atribuídas à Secção Ordinária da Administração do Património da Sé Apostólica e determinará, a partir da data de hoje, como deverão ser resolvidas as questões pendentes junto à referida Secção Ordinária, até à completa transferência efetiva das tarefas.

Assim, como consequência desta mudança, a APSA já não será dividida em Secções e, futuramente, desenvolverá unicamente as tarefas que até agora eram de competência da Secção Extraordinária. (RS)

Fonte:http://pt.radiovaticana.va/news/2014/07/10/motu_proprio_do_papa_francisco_%E2%80%93_sec%C3%A7%C3%A3o_ordin%C3%A1ria_da_apsa_transferida/por-812354

sábado, 5 de julho de 2014

Encontro anual do MiReFALC no México

Dos dia 30 de junho a 07 de julho, na Cidade do México aconteceu o 8º encontro anual do Ministério de Reflexão da Federação dos Conventuais na América latina (MIrefalc), no qual Frei Carlos Charles, representando a Custódia Provincial do Rio de Janeiro, foi único brasileiro em meio a representantes da Argentina, Bolívia, Chile, Colômbia, Venezuela, Costa Rica, México. Registramos a presença do Assistente Geral para a América Latina, do Secretário Geral para a Formação, do Secretário particular do Ministro Geral e Frei Guilhelmo da Custódia de Assis. Além de compartilhar textos produzidos por cada um dos participantes, o encontro prepara o Congresso Internacional Franciscano que acontecerá entre 11 a 15 de julho de 2016 no Rio de Janeiro, comemorando os 70 anos da presença Conventual na América Latina. 
Outros assuntos ocuparam a pauta do encontro: a formação latino-americana, Curso para formadores, curso para novos guardiães em nível de FALC, a situação da Revista "Decires", entre outros.
No dia 03 de julho os Frades tiveram a graça de concelebrarem a Eucaristia Solene de São Tomé juntamente com os Cônegos da Basílica de Nossa Senhora de Guadalupe.
O encontro foi encerrado no sábado, dia 05 de julho, pela manhã, no Seminário da Província Nossa Senhora de Guadalupe, em Cautitlan, México. Domingo, dia 06 de julho, os últimos frades que aguardaram retorno para seus países de origem concelebraram a Eucaristia pela manhã na Capela de Santa Rita de Cássia, da paróquia local. Logo depois foram conduzidos aos Convento do Valle de Aragon, onde puderam conhecer o Centro da Cidade e aguardar seus voos. (texto atualizado dia 07/07/2014)




Fonte:http://nsperpetuosocorrojf.blogspot.com.br/2014/07/encontro-anual-do-mirefalc-no-mexico.html

quinta-feira, 3 de julho de 2014

JMJ 2016 Logotipo e oração

Nesta quinta-feira (3), o arcebispo de Cracóvia, cardeal Stanislaw Dziwisz, apresentou a logo oficial e a oração da XXXI Jornada Mundial da Juventude. O simbolismo combina três elementos: o lugar, os personagens e o tema do encontro. A JMJ será realizada em Cracóvia de 26 a 31 de julho de 2016. Será precedida de programações nas Dioceses em toda a Polônia.

No centro do desenho há uma cruz, simbolizando Cristo como a essência das Jornadas Mundiais da Juventude. O círculo amarelo representa a localização de Cracóvia e simboliza os jovens. Da cruz vem a centelha da Divina Misericórdia, forma e cor, referindo-se à imagem de Jesus: “Eu confio em vós”. A logo é uma ilustração das palavras “Bem-aventurados os misericordiosos, porque eles alcançarão misericórdia” (Mateus 5,7), escolhidas como tema da JMJ. O contorno vermelho remete ao mapa da Polônia. As cores usadas na logo – azul, vermelho e amarelo – referem-se também às cores oficiais de Cracóvia e seu brasão de armas.

A autora é a designer gráfica Monika Rybczyńska, de 28 anos, da cidade de Ostrzeszów. Monika criou a logo como forma de agradecimento pela intercessão do Espírito Santo em sua vida, após a canonização de João Paulo II. A coautora é Emilia Pyza, vinda de Garwolina. Ela tem 26 anos e é especialista em design gráfico e publicação de livros.

Na conferência, também foi apresentada a oração oficial do evento em Cracóvia. Consiste em três partes. A primeira é a entrega de toda a humanidade, especialmente os jovens, à Divina Misericórdia. A segunda parte é um apelo pela graça de ser misericordioso. A terceira parte é dedicada à intercessão de Nossa Senhora e de São João Paulo II, o patrono do encontro. Confira:

“Deus, Pai misericordioso que revelastes o Vosso amor no Vosso Filho Jesus Cristo e o derramastes sobre nós no Espírito Santo Consolador, confiamos a Vós hoje o destino do mundo e de cada homem.” *

Pai Celestial, concedei que possamos dar testemunho de Vossa misericórdia. Ensina-nos a transmitir a fé aos que estão em dúvida, a esperança aos que estão desanimados, o amor aos que se sentem indiferentes, o perdão aos que erraram e a alegria aos que estão descontentes. Permiti que a centelha do Vosso amor misericordioso acesa em nós torne-se fogo que transforma corações e renova a face da terra.

Maria, Mãe de misericórdia, rogai por nós. São João Paulo II, rogai por nós.

*Homilia do Santo Padre João Paulo II, Santuário da Misericórdia Divina, Lagiewniki, Sábado, 17 de agosto de 2002 (Tradução da oração: MEM – Zenit.org)
Fonte:http://www.comshalom.org/apresentada-logo-da-jmj-cacovia-2016/

Os Mais Vistos