Ordem dos Frades Menores Conventuais - Custódia Provincial Imaculada Conceição dos Franciscanos Conventuais do Rio de Janeiro - PAZ & BEM!!!

quarta-feira, 9 de outubro de 2013

Qual a diferença entre "Padre e Frei?"

Por Frei Alberto, OFMConv. | Trad.: Cleiton Robson.



Muitas vezes, quando converso com jovens e adultos, acerca de questões vocacionais, em geral, vem a pergunta: "Qual a diferença entre Padre e Frei?"









Não é simplesmente uma questão infantil, mas uma verdadeira e própria questão "eclesiológica", isto é, sobre a natureza da Igreja e de alguns de seus componentes essenciais: o sacerdócio e a vida consagrada. Sem o sacerdócio, a Igreja não fica de pé. Sem a vida dos consagrados, a Igreja é menos bela.

Para tentarmos entender rapidamente o que diferencia - de modo simples - por mais que que assim o aparente ser - estas duas vocações, temos que entender a sua relação com Jesus.

O Senhor Jesus durante o seu ministério público, foi seguido por muitas pessoas, homens e mulheres. Todos mais ou menos explicitamente chamados por Ele para compartilhar o Seu Caminho. Se olharmos para o Evangelho de Marcos, notamos o que diz o chamado de Simão e André, e agora também de Tiago e João (Marcos 1,16-20; 2,13-14). Mas eles não são os únicos a se sentirem convidados a seguir Jesus, também, o "jovem rico" se sente disposto neste chamado (Mc 10, 21). Mas sabemos que, se ele vai em outra direção, triste. A seguir Jesus, fica diante de várias mulheres: apenas algumas delas vão estar com ele ao pé da cruz (Mc 15, 40-41). Esta é a primeira chamada que faz dessas pessoas discípulos.

É uma coisa completamente diferente quando Jesus, que se aposentou na montanha com vários discípulos, identifica uma dúzia e eles dão um mandato e um nome a mais: os constitui Apóstolos (Mc 3. 13-19, cf 6, 7-13).

A Igreja associa a chamada e o serviço típico dos Apóstolos à hierarquia constituída dos sacramento da Ordem. Os bispos são os sucessores dos Apóstolos, cada um deles guia a Igreja particular que lhe foi confiada em comunhão com o Papa, o sucessor do Príncipe dos Apóstolos. Qual é a peculiaridade dos bispos (e aqueles a que "delegar" algumas das características mais importantes de seu sacerdócio, que são os padres)? A função específica do bispo e do padre (e em certa medida, também o diácono) é fazer o que Jesus fez. E o que Jesus fez em sua vida e no seu ministério público? Essencialmente proclamou o Evangelho e operou milagres e curas. O bispo e o sacerdote, de fato, estes têm a função de pregar a Palavra de Deus e os milagres que são os sacramentos. Jesus opera através deles novamente para nós de modo tão indubitável.

Por outro lado, na Igreja há muitos homens e mulheres que - como muitos dos discípulos do Jesus histórico - querem viver como Jesus viveu. Quer dizer, de alguma forma, fazendo apenas o que era essencial e típico de seu modo de vida. Ele nunca se casou ou uniu-se a uma mulher, era casto. Ele não tinha nada para si, especialmente nos últimos três anos de vida, era pobre. Ele enfrentou a vida fazendo a vontade de seu Pai celeste, era obediente. As características particulares do estilo de vida que Jesus escolheu para si mesmo, são os três votos que encontrou a vida consagrada de monges e monjas, frades e freiras, e até mesmo de homens e mulheres consagrados, permanecendo "no mundo." Através deles, a vida de Jesus está viva e presente entre os homens de todas as idades.

Sabemos que de religiosos e consagrados a Igreja tem uma enorme variedade. Pode-se viver a castidade, pobreza e obediência de Cristo de formas muito diferentes: no claustro da extrema Cartuxa, no acompanhamento do jovem Salesiano, na contemplação de uma Carmelita em cuidar dos doentes da Camiliana no estudo e pregação do Dominicano... na fraternidade e minoridade Franciscana. E não só isso!

Como as duas vocações evangélicas - discípulo e apóstolo - coincidiram nas pessoas dos Doze, por isso hoje as duas vocações ao sacerdócio ministerial e a consagração religiosa virem a coincidir, por vezes na mesma pessoa. Muito claramente no caso das congregações que nasceram e foram criadas como clericais, como os Jesuítas ou os Salesianos. Mas isso acontece muitas vezes em famílias religiosas que podem ser chamadas de "mista", como os Franciscanos e Carmelitas.

Então, por que os padres - apesar das várias controvérsias que, periodicamente, reavivou nos jornais - continuam a viver no celibato (assim se chama a "promessa de celibato"), se está é a forma "típica" da vida religiosa como "voto de castidade"? Porque, desde os primeiros séculos, muitas igrejas locais da tradição latina descobriram que é importante que os seus sacerdotes para serem bons apóstolos, também fossem discípulos. Ou seja, a melhor maneira de fazer as ações de Cristo é fazê-las a partir de um estilo de vida, tanto quanto possível semelhante à Sua. Isso é celibatário. Mais tarde, o Papa Gregório VII achou por bem estender essa estrutura a todos os sacerdotes latinos (rito romano, ambrosiano, etc...).

Resta o fato que - como evidenciado pela disciplina das Igrejas Orientais (e não só) de padres casados ​​- para entrar no sacerdócio, o celibato não é uma condição sine qua non da Teologia, mas disciplinar. Que a igreja romana decidiu admitir ao sacerdócio só aqueles que se sentem chamados a viver no celibato. Mas esta é uma outra história...

Em última análise, o que pode reduzir a diferença:

Os Padres são chamados e enviados para fazer o que Jesus fez (...e talvez eles podem fazer isso melhor se viverem como Ele);
Os Frades são, antes de tudo, os próprios para viverem como Jesus viveu (e muitos deles estão em uma condição ideal para serem capazes de também dedicarem-se às suas obras mais importantes: o Evangelho e os sacramentos).

Equipe Vocacional OFMConv (Site: www.despertarfranciscano.com)

Nenhum comentário:

Os Mais Vistos