Ordem dos Frades Menores Conventuais - Custódia Provincial Imaculada Conceição - Franciscanos Conventuais do Rio de Janeiro - PAZ & BEM!!!

quinta-feira, 30 de junho de 2011

Operação Sorriso

Quem são?



Devolvendo sorriso para as crianças. Fazendo do mundo um lugar melhor.

clique na imagem para ver a foto maior
Na Operação Sorriso, nós mensuramos quem somos pela alegria que vemos nos rostos das crianças. Nós somos mais do que uma organização de caridade. Mais do que uma ONG. Nós somos uma força mobilizada de profissionais da saúde e corações dedicados em oferecer segurança e cirurgias reconstrutivas para crianças que nasceram com deformidades faciais, tais como a fissura lábio-palatina.
Estima-se que mais de 200.000 crianças nascem por ano no mundo acometidas pela fissura. Somente no Brasil estima-se que sejam mais de 5.600. Geralmente com severas dificuldades para se alimentar, falar, socializar-se ou mesmo sorrir. Algumas delas são excluídas, escondidas do contato social e rejeitadas. E na maioria dos casos, seus pais não têm condições de pagar pela cirurgia que elas tanto necessitam para terem uma vida normal.

Clique na imagem para ver maior

E é exatamente aí que nós atuamos. Desde 1982, a Operação Sorriso - através de dedicados voluntários – tem oferecido cirurgias gratuitas para crianças em mais de 50 países, devolvendo a elas o sorriso e a esperança de um futuro melhor.
Graças a generosidade e o espírito de voluntariado de nossos parceiros, mais de 160.000 crianças, sendo mais de 3.500 somente no Brasil, tiveram a chance de uma nova vida devido ao nosso trabalho. Com sua ajuda, quantas vidas poderão ser transformadas amanhã?
O que fazem?

Na Operação Sorriso, nossos voluntários médicos oferecem segurança e atendimento de alto padrão e totalmente gratuito para crianças portadoras da fissura lábio-palatina em diversas regiões do país. Nós somos uma organização humanitária dedicada a conscientizar a sociedade sobre o drama vivido por centenas de milhares de famílias no Brasil, devolvendo para sempre o sorriso das crianças e oferecendo a elas a oportunidade de terem um futuro melhor.

Nós temos presença em 10 Estados, e nossos programas e cirurgias gratuitas só são possíveis graças as centenas de voluntários e doadores, em diversas regiões, que generosamente contribuem seu tempo, talento e recursos para nossa causa.
Dando a toda criança o direito de sorrir.
Toda criança merece ter assegurado o direito de sorrir e se desenvolver. No entanto, em diversas partes do país, crianças com fissura lábio-palatina vivem escondidas, excluídas, com vergonha de frequentar a escola, enfrentando um futuro incerto simplesmente porque seus pais não têm condições de pagar pela cirurgia que elas tanto necessitam.
Nossa cirurgia é gratuita, dura cerca de 45 minutos, e pode transformar para sempre a vida de uma criança portadora da deformidade facial. Além disso, toda criança atendida por nós gera um efeito em cadeia  de esperança e do espírito de se fazer o bem em sua família, na sua comunidade e no país. Após a cirurgia e o tratamento adequado, a criança pode tornar-se um cidadão produtivo e colaborar com o desenvolvimento de sua comunidade e do país como um todo.
Ao final de nossos programas, nós deixamos o legado da educação e do treinamento continuado aos profissionais de Saúde, visando gerar a sustentabilidade local de atendimento e aumentando, assim, a quantidade de crianças atendidas. Através do sorriso de uma criança nós firmamos novas parcerias, alianças e desenvolvemos ações de Saúde para fazer do mundo um lugar melhor.
Esperamos que você venha juntar-se a nós através de sua ajuda!
Principais Diferenças: Nossos padrões nos distinguem
A cada três minutos, uma criança nasce com fissura

Operação Sorriso em Agosto no Rio de Janeiro
De 08 a 16 de agosto, a ONG Operação Sorriso do Brasil (OSB) realizará cerca de 120 cirurgias corretivas gratuitas em crianças portadoras de fissuras lábio palatinas (conhecidas também como lábio lascado ou goela de lobo), no Rio de Janeiro.
 A triagem acontecerá nos dias 08 e 09 de agosto, no CTAC-RJ- Centro de Anomalias Craniofaciais (Av. Marechal Rondon, 381, São Francisco Xavier) e as cirurgias serão realizadas entre os dias 11 e 16 de agosto, no Hospital Universitário Pedro Ernesto (Boulevard 28 de Setembro, 77, Vila Isabel). Não é necessário fazer pré-inscrição para pleitear a cirurgia, apenas comparecer ao hospital nos dias indicados. Pacientes que residem fora do município, ao se apresentarem na triagem, receberão hospedagem para ele e mais um familiar, transporte e alimentação sem custo. O programa também fará o tratamento pós-operatório dos pacientes operados em 2009.
Estão envolvidos nesse projeto de forma voluntária profissionais não médicos, cirurgiões plásticos, enfermeiros, anestesiologistas, psicólogos, ortodontistas, fonoaudiólogos, pediatras e geneticistas, além da Associação Acadêmica da Operação Sorriso (OSCA). Em todo o mundo, o reconhecido trabalho da ONG é desenvolvido de forma muito criteriosa, com avaliações, cirurgias e acompanhamento pós-operatório. Por esse motivo, para o programa do Rio de Janeiro, a OSB contará com 80 profissionais e trabalhará em parceria com a Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), o Governo do Estado do Rio de Janeiro, através da Secretaria de Estado da Saúde e Defesa Civil do Estado do Rio de Janeiro, o Centro de Tratamento de Anomalias Craniofaciais (CTAC), o Rio Solidário, Marinha do Brasil, o Instituto da Criança, a Colgate Palmolive, a rede Accor e a Ethicon.
“O programa é pensado por completo, indo muito além da cirurgia: montamos uma grandiosa estrutura capaz de acolher os interessados, facilitando o acesso de pacientes e seus familiares. Fazemos uma triagem no primeiro dia e depois selecionamos os casos que serão operados nos demais dias do programa e, para isso, a Marinha do Brasil nos ajuda na logística e no alojamento dos pacientes. Em paralelo, disponibilizamos todos os suprimentos e equipamentos médicos para preparar o centro cirúrgico do hospital parceiro”, explica Clóvis Brito, diretor executivo da OSB, salientando que todo o material utilizado durante as cirurgias é de alto padrão, em parte doado por empresas, ou adquirido pela organização com critério internacional de qualidade.
O corpo médico é previamente selecionado e passa por um treinamento oferecido pela ONG. Os cirurgiões plásticos responsáveis são especializados em fissura lábio palatina, e coordenados pela equipe da OSB. “O processo de credenciamento dos voluntários médicos é coordenado pelo Conselho Médico da Operação Sorriso, visando garantir que tenhamos um time altamente especializado. Parte importante do nosso trabalho é o investimento no treinamento e na capacitação dos profissionais de Saúde, visando à auto sustentabilidade local no atendimento do paciente fissurado, principalmente nas regiões de grande demanda”, explica o Dr. Nivaldo Alonso, coordenador do Centro de Cirurgias Crânio Faciais da USP e diretor médico da OSB, reforçando que os interessados em participar podem preencher cadastro no site www.operacaosorriso.org.br.
Os pacientes que não forem contemplados durante o programa deste ano serão devidamente avaliados e cadastrados tanto para tratamento em futuros programas da Operação Sorriso, quanto para atendimento na rede hospitalar local.  “Essa parceria entre a OSB e as instituições locais é fundamental, pois garante o atendimento durante todo o ano para os pacientes do Estado do Rio. Temos grande preocupação em não deixar as pessoas que nos procuram sem atendimento”, declara Clóvis.
Conheça mais e ou entre em contado: http://www.operationsmile.org.br/novo/

domingo, 26 de junho de 2011

Consagração anual ao Coração de Jesus

É uma antiga tradição na Ordem dos Frades Menores Conventuais, realizarem anualmente, a Consagração de toda Ordem e de cada frade ao Sacratíssimo Coração de Jesus, no dia da Solenidade a Ele celebrada na Liturgia da Igreja. Segue a Fórmula de Renovação que deve ser realizada diante do Santíssimo Sacramento  com toda a comunidade Conventual local, quando possível!


Dulcíssimo Jesus, eis diante de Vós os discípulos do Patriarca Seráfico São Francisco de Assis, a fim de renovarmos a dedicação e consagração de pertencermos inteiramente ao Vosso Sacratíssimo Coração, ferido para salvação de toda humanidade. Adoramos, louvamos e amamos Vosso Sacratíssimo Coração!

Em nosso nome e de todos os Irmãos, prometemos, com mais diligência e fervor, nos esforçarmos por fazer os nossos corações semelhantes ao Vosso, na observância fiel da Regra Seráfica, e pelo cumprimento dos deveres de nosso estado de vida.

Ó Coração do Filho Eterno do Pai, ó Coração de Jesus, no qual habita toda a plenitude da divindade, ó Coração digníssimo de adoração e amor infinito, ó Coração atribulado por causa de nossos pecados! A Vós nos entregamos, nos dedicamos e ao mesmo tempo depositamos em Vós, nossa Ordem Seráfica e todos os nossos Irmãos, a Família inteira de nosso pai seráfico, da qual Vós nos fizestes membros.

Purificai a nossa Família Seráfica com Vosso Sangue Precioso, inflamai-a cada vez mais com vosso Divino Amor. Isto, fervorosamente pedimos, pelos merecimentos do Coração transpassado de Vossa Mãe Imaculada, a Virgem Maria, nossa Rainha e Padroeira, pelos merecimentos de São José, nosso patrono, como também pela intercessão de todos os Santos de nossa Ordem Seráfica. Amém!

(A consagração é realizada diante do Ssmo. Sacramento)

sábado, 25 de junho de 2011

Crucifixo de S. Damião



O Crucifixo de São Damião foi pintado no século XII por um desconhecido artista da Úmbria, região da Itália.
A pintura é de estilo romântico, sob clara influência oriental: o pedestal sobre o qual estão os pés de Cristo pregados separadamente; e de influência siríaca: a barba de Cristo; a face circundada pelo emoldurado dos cabelos; a presença dos anjos e cruz com a longa haste segurada na mão, por Cristo (só visível na pintura original), no alto, encimando a cruz.
O Crucifixo original de São Damião está guardado com grande zelo pelas irmãs Clarissas, na Basílica de Santa Clara de Assis, e é visitado por estudiosos, devotos e turistas do mundo todo. É um monumento histórico franciscano e universal. Outros dados:
Sem o pedestal, o Crucifixo original mede dois metros e dez centímetros de altura e um metro e trinta centímetros de largura.
A pintura foi feita em tela tosca, colada sobre madeira de nogueira.
Naquele tempo, nas pequenas igrejas, o Santíssimo não era conservado, isto é, a Eucaristia não era guardada mas, consumida no dia. Por isso, supõe-se que Crucifixo foi pendurado no ábside sobre o altar da capela, no centro da Igreja. Provavelmente o Crucifixo permaneceu na Igreja de São Damião até que as Irmãs Pobres, em 1257, o levaram consigo à nova Basílica de Santa Clara. Guardaram-no no interior do coro monástico por diversos séculos. No ano de 1938, a artista Rosária Alliano restaurou o Crucifixo com grande perícia, protegendo-o inclusive contra qualquer deterioração.
Desde 1958 ele está sobre o altar, ao lado da capela do Santíssimo, na Basílica de Santa Clara, protegido por vidro.



Descrição detalhada da pintura

Descobre-se, à primeira vista, a figura central do Cristo, que domina o quadro pela sua imponente dimensão e pela luz que sua esplêndida e branca figura difunde sobre todas as pessoas que o circundam e que estão todas vivamente voltadas para Ele. Esta luz vivificante que brota do interior de sua Pessoa (Jo, 8,12) fica ainda mais destacada pelas fortes cores, especialmente o vermelho e o preto.
Também impressiona este Cristo ereto sobre a cruz e não pendurado nela, com os olhos abertos, olhando o mundo.
Apresenta ainda uma auréola de glória com a cruz triunfante oriental em vez de uma coroa de espinhos, porque tornou-se vitorioso na paixão e na morte.
Aparecem os sinais de crucificação e as feridas sangrentas mas o sangue redentor se derrama sobre os anjos e santos (sangue das mãos e dos pés) e sobre São João (sangue do lado direito).
Cristo se apresenta vivo, ressuscitado (Jo 12,32), de pé sobre o sepulcro vazio e aberto (indicado pela cor preta), visível por trás. Com as mãos estendidas, Cristo está para subir ao céu (Jo 12,32).
A inscrição acima da cabeça de Cristo, "Jesus Nazarenus Rex Judaeorum"

Jesus Nazareno Rei dos Judeus é também própria do Evangelho de João.
Sobre a inscrição, está a ascensão em forma dinâmica, na figura do Cristo ascendente, com o troféu da cruz gloriosa na mão esquerda (só visível na pintura original) e com a mão direita para a mão do Pai, no céu.
Do alto, a mão direita do Pai acolhe o seu Filho, circundado dos anjos (e santos) na glória celeste.
As cores vermelha e púrpura são símbolos do divino; o verde e o azul, do terrestre. Para "ver" bem o conjunto da pintura, deve-se realmente parar diante do Crucifixo pois, ordinariamente, olha-se a imagem somente, de longe, como "turistas". À direita do corpo de Cristo, aparecem as figuras de Maria e João, intimamente unidas, enquanto Maria indica o discípulo predileto com a mão direita (Jo 19,26). À esquerda, estão as duas mulheres, Maria Madalena e Maria de Cléofas, primeiras testemunhas da ressurreição (Jo 19,25).
E, embora Maria, à direita e Maria Madalena, à esquerda, ergam a mão direita no rosto em sinal de dor, nenhuma das outras pessoas próximas, manifesta expressão de sofrimento profundo mas uma adesão cheia de fé ao Cristo vitorioso, Salvador.
À direita das duas mulheres vê-se o centurião com a mão erguida, olhando para o Crucifixo. Com esse gesto está a dizer: "Verdadeiramente este é o Filho de Deus".
Sobre os ombros do centurião aparece a cabeça de uma pessoa em miniatura, cuja identidade se discute: poderia ser o filho do centurião, curado por Jesus (Jo 4,50) ou um representante da multidão ou ainda, o autor desconhecido da pintura. Aos pés de Maria e do centurião, vê-se o soldado chamado Longino que, pela tradição, com a lança traspassa o lado de Jesus e, o portador da esponja, chamado de Estepatão, segundo a tradição (Jo 19,29). Ambos estão voltados para o Crucifixo.
Debaixo das mãos de Jesus, à direita e à esquerda, encontram-se dois anjos com as mãos erguidas, em intenso colóquio. Parecem anunciar a ressurreição e ascensão do Senhor.
As duas pessoas, à extrema direita e esquerda, parecem anjos ou talvez mulheres que acorrem ao sepulcro vazio.
Aos pés de Jesus a pintura original encontra-se muito deteriorada. É provável que seja: São Damião, São Rufino, São João Batista, São Pedro e São Paulo. Acima da cabeça de São Pedro, está a figura do galo (só visível na pintura original), a lembrar a negação de Pedro a Cristo (Jo 13,38; 18, 15-27).
As pessoas aos pés de Jesus têm a cabeça erguida para o alto, expressando a espera do retorno glorioso do Senhor, no juízo.
Deste Crucifixo descrito em detalhes, Francisco teve uma inspiração "decisiva" para a sua vida, diz Caetano Esser. Passamos a descrevê-la porque é deste fato que se originou a admiração que hoje temos ao Crucifixo de São Damião.
O Crucifixo fala a Francisco
O jovem Francisco encontrava-se numa crise espiritual, cheio de dúvidas e trevas. "Conduzido pelo Espírito", entra na igrejinha de São Damião, onde se prostra, súplice, diante do Crucifixo. Tocado de modo extraordinário pela graça divina, encontra-se totalmente transformado. É então que a imagem de Cristo Crucificado lhe fala: "Francisco, vai e repara minha casa que está em ruína".
Francisco fica cheio de admiração e "quase perde os sentidos diante destas palavras". Mas logo se dispõe a cumprir esse "mandato" e se entrega todo à obra, reconstruindo a igrejinha. Depois pede a um sacerdote, dando-lhe dinheiro, que providencie óleo e lamparina para que a imagem do Crucifixo não fique privada de luz, mas em destaque naquele santuário.
A partir de então, nunca se esqueceu de cuidar daquela igrejinha e daquela imagem. Francisco parecia intimamente ferido de amor para o Cristo Crucificado, participando da paixão do Senhor, de quem já trazia os estigmas no coração e mais tarde, em 1224, receberia as chagas do Cristo em seu próprio corpo.
Segundo Santa Clara, está visão do Crucifixo foi um êxtase de amor radiante e impulso decisivo para a conversão de Francisco.
Entre os estudiosos ainda existe uma dúvida a ser esclarecida: ao ouvir o Cristo do Crucifixo, Francisco pensa na igrejinha material de São Damião. Mas nada impede de se pensar que se trata do "templo de Cristo no coração de Francisco e nos corações dos homens".
Enfim, a própria oração de Francisco diante do Crucifixo de São Damião sugere antes a reparação "espiritual" da casa do Senhor, crucificado no coração. Tanto que ele pede especialmente pelas três virtudes teologais (fé, esperança e amor) para poder cumprir esse "mandato" de Cristo.



FONTE: Frei Vitório Mazzuco, OFM

quinta-feira, 23 de junho de 2011

A espiritualidade



Teilhard de Chardin tem uma frase que, a meu ver, é um princípio fortíssimo da espiritualidade. Ele diz assim: ‘Não somos seres humanos passando por uma experiência espiritual, mas nós somos seres espirituais que passamos por uma experiência humana’. Entender o que significa uma espiritualidade é exatamente isso. Existe dentro de nós uma ponte: uma imagem e semelhança do sagrado, do divino. Essa imagem e semelhança de Deus.
Muita gente, hoje, confunde ser espiritual com ser religioso. Ou, então, deixa a questão da espiritualidade para as igrejas, para pessoas consagradas a causas religiosas. Mas é algo muito maior. Ser espiritual é o poder de transformar a sua vida; transformar a civilização e o curso da história.
Ser espiritual é desenvolver valores pessoais e se envolver com a sociedade e com o mundo tendo como objetivo melhorar o mundo, melhorar as pessoas e a si mesmo. Ver a vida de um modo mais leve; ver o jeito gracioso das coisas; recuperar qualidades, como, por exemplo, o entusiasmo, a alegria plena, a honestidade, a energia, a perseverança, a paz e as forças interiores
.

Eucaristia, uma história de amor.


A liberdade para amar alimenta-se na Eucaristia, reunião festiva da fraternidade. Tem nela também o principal ponto de passagem entre o "lugar" dos homens e o "não-lugar" de Deus.
Não há verdadeira celebração eucarística sem uma verdadeira fraternidade. E a fraternidade não cresce sem a celebração eucarística. A Eucaristia não se esgota na Missa: tem que ser vivida o dia inteiro no relacionamento fraterno.
A Eucaristia é algo sem valor para os "sistemas" do nosso "mundo", que olha tudo a partir da produção e do econômico. Mas, para nós, é ela que forma o Povo, porque começa formando a família.
Para criar o mundo novo, Deus mesmo se fez comida e se pôs à disposição dos pequenos, clamando: Vocês tratem de "me comer", de me assimilar, para que o "mundo" dos homens seja mudado na fraternidade dos filhos de Deus.
Os irmãos e irmãs que estão se libertando cada dia para amar, aplicam a Vida que comeram na Eucaristia à salvação do Povo. Transformam o mundo a partir da ceia do ágape, em que todos devem unir-se, sem excluir ninguém da mesa.

São Francisco e o Jesus da Eucaristia

"Homenzinho simples e iletrado", como ele mesmo se chamava, São Francisco deixou escritos que nos impressionam e Deus fala em tudo que existe. Fala até nas plantas, nos animais, em nós mesmos e no que acontece em nossa vida. Mas para Francisco era evidente que, quanto mais a Palavra chegava perto do Jesus Pessoa revelado no Evangelho, mais era Palavra. Por isso, tinha uma veneração especial pela palavra revelada na Bíblia.
Entretanto, Francisco ainda venerava mais as Palavras usadas na liturgia e de maneira muito especial as que fazem os sacramentos. A essas chamava de "santíssimas palavras" do Senhor Jesus Cristo.


Santa Clara e o Jesus da Eucaristia

Clara escreveu pouco sobre a Eucaristia. Mas são fundamentais suas ações eucarísticas, porque vivia em todas as circunstâncias o esforço de transformar o seu mundo em mundo de Deus.
Rublev pintou a obra prima dos ícones, a sua famosa Santíssima Trindade, representando a mesa do almoço que Abraão preparou para o Deus Trino (representado pelos anjos) sob o carvalho de Mambré. Mas, para ele, esse almoço era a ceia eucarística, tanto que o cálice contendo vinho em forma de cordeiro está em cima da toalha branca e a mesa tem o lugar reservado para a pedra de ara. A Trindade vive uma ceia de amor e a Eucaristia é o nosso jeito de – fraternalmente – tomar parte nessa ceia.
Nos cultos judaicos, é a mãe que prepara a mesa, na qual acende as velas quando surge a primeira estrela da noite. Clara foi uma mãe eucarística. Cuidou de pôr a mesa e cuidou de suas filhas para se sentarem ao redor da mesa.
Com Clara, em São Damião, tudo era eucaristia: cuidar da capela e cuidar da casa, da horta e – mais ainda – lavar as mãos e os pés das Irmãs, cobrir quem tinha frio, curar as doentes, porque é mais importante cuidar dos que vão se sentar à mesa com a Trindade do que deixar a mesa bonita e fazer a comida gostosa. É nessa perspectiva que entendemos todo o seu dedicado e carinhoso tratamento com todas as suas Irmãs.


Nós e a Eucaristia hoje

A reflexão que fizemos sobre a maneira de Francisco e Clara viverem a Eucaristia não nos deixa dúvida nenhuma: para eles, não há nada mais concreto de Deus neste mundo do que o mistério do corpo e do sangue de Cristo que nós celebramos em nossos altares. Foi vivendo intensamente essa presença transformadora de Jesus Cristo que eles renovaram o mundo, com uma força que não se esgota oitocentos anos depois.
E nós? Que é que fazemos com a Eucaristia? Não é verdade que, apesar do nosso encontro diário com Deus vivo o mundo continua sempre o mesmo?
Tanto Francisco quanto Clara, pelo que sabemos, foram pessoas que, ao se encontrarem de um forma mais consciente com Jesus Cristo, perceberam que o mundo em que estavam vivendo não era o mundo de Deus. Tiveram a coragem de "sair do mundo". Mas não saíram nem do lugar nem do tempo em que estavam vivendo: saíram da mentalidade, saíram das ideologias, saíram do que "todo mundo" achava certo.
Não pegaram armas nem faixas. Sabiam que a questão não era substituir os poderosos de plantão: era mudar a si mesmos e a todas as pessoas que fosse possível pela sabedoria do Evangelho e pela força da Eucaristia. O "mundo" da maioria continua mau. Mas, para Francisco, Clara e seus seguidores já não é o mesmo. Podemos começar a deixar o mundo diferente hoje mesmo. Como? A resposta está no movimento do coração, que é sair de si, alteridade, e ir ao encontro do outro.
Uma das "mortes" mais cruéis no tempo de Clara, como no nosso tempo, era a das guerras e das violências. Ela deu um magnífico exemplo de como vencer essa morte: fez levar o Santíssimo Sacramento ao encontro do medo das Irmãs e da agressividade dos sarracenos.
Outra morte de uso quotidiano é nossa capacidade de nos isolarmos, até com a desculpa de servir a Deus e ao próximo, deixando nossos irmãos e nossas fraternidades privadas do nosso amor fraterno. Santa Clara venceu essa morte com a Eucaristia, quando rompeu as tradições seculares para tornar o refeitório um lugar de encontro, recreio e trabalho, para fazer as doentes terem a consolação da conversa fraterna, para abrir a possibilidade de comunicação amiga e cheia de ternura.
Em síntese, celebrar Corpus Chriti, é sair de egocentrismo e se voltar para o outro, na alteridade, onde cada um passa a ser responsabilidade minha, pense nisso...

terça-feira, 21 de junho de 2011

A mística da vida





A palavra mística vem do grego = mueiv = muiein = iniciar. Iniciação. Introduzir alguém nos significados, na importância, na qualidade, na verdade. Tudo que nasce dentro de um contexto religioso, no momento de transcendente, no momento de grande qualidade, está ligado aos mistérios. É ser introduzido numa experiência mais interna, numa realidade transcendente. Mística é também a vivência de uma causa. É a vivência de um projeto. Trabalhar num projeto social, pastoral, não é uma atividade qualquer: é mística. É a mística do ocupar-se. Porque se vive uma causa. Não é uma atividade qualquer. É a sublimação de um trabalho para melhorar a qualidade de vida de tanta gente.http://carismafranciscano.blogspot.com/2009_12_01_archive.html
Hoje é importante viver a sedução por aquilo que se faz. É repetir aquilo que disse Jeremias, capítulo 20, versículo 7. “Seduziste-me Senhor e deixei-me seduzir”. Isso é mística. Espiritualidade e mística não é ter ou não ter. É encontrar-se com o externo. Um dos grandes projetos da mística franciscana é a fraternitas. Fraternitas significa “doce é saber e eu não estou sozinho.


Sou uma parte de uma imensa vida”. O fraternismo universal, o universalismo fraterno. Francisno não queria o social pelo social. Ele queria o social de relacionamento. De relações. Por isso que é importante, isso: antes da razão vem o grande encontro. O encontro com o coração do outro e da outra. Com o coração dos meus projetos. Então, isso é mística.

FONTE: Frei Vitorio Mazzuco, ofm

Quebrando o ciclo do ódio



Por:
Maria Clara Lucchetti Bingemer no Jornal do Brasil*

O que têm em comum Mark Strohan (texano preso por homicídio e que deverá ser executado no próximo dia 20 de julho) e Rais Bhuiyan (bengali, imigrante legal, vivendo nos Estados Unidos há vários anos, cego de um olho)? O traço em comum entre os dois é justamente o olho perdido de Rais Bhuyan. Pois o responsável pela perda parcial de visão do bengali foi justamente Mark Strohan, que o atacou com um tiro no rosto.
Tudo começou no dia 11 de setembro de 2001, data que marca um novo ciclo na história ocidental e do mundo inteiro. O ataque às Torres Gêmeas plantou o terror e o ódio no centro do hemisfério, deixando um lastro de morte e destruição. Neste dia, Mark Strohan perdeu sua irmã e a inocência que lhe restava no coração. Passou a ser movido pelo desejo de vingança e pelo ódio a tudo e a todos que levassem qualquer proximidade e semelhança com os autores do atentado, responsáveis por sua perda e a dor incurável que ela provocara em sua vida. Mark Strohan passou a perseguir e atacar imigrantes. Atirava para matar. Com dois, conseguiu seus intentos: um paquistanês e um indiano. Com Rais Bhuyan conseguiu apenas destruir seu olho. O bengali sobreviveu. E Mark Strohan foi preso. Era o dia 21 de setembro, dez dias depois do atentado que mudou o mundo e plantou o ódio no seu coração. O bengali retomou aos poucos sua vida, tendo que aprender a conviver com sua nova situação física. O texano ficou dez anos preso, foi condenado à pena capital, e agora sua execução foi marcada.

Há, porém, uma voz que se levanta entre Mark Strohan e sua programada morte: surpreendentemente, a de Rais Bhuyan. O bengali que perdeu parte da visão pela arma do condenado não parece reger-se pela lei do Talião : “Olho por olho, dente por dente”. Mas, sim, pela compaixão que ensina a ver no outro, qualquer que ele seja, não importa o que haja feito, um irmão em humanidade. No intrincado aparelho judicial estadunidense, Rais Bhuyan luta para transformar a pena de morte decretada para Strohan em prisão perpétua. Não deseja a morte de seu agressor e, pelo contrário, luta para devolver-lhe a vida. Bhuiyan declara haver chegado à decisão de empreender este combate pela vida do homem que atirou em seu rosto e perfurou seu olho após um longo e duro processo de sofrimento e purificação. Dele saiu sem ódio no coração, mas cheio de gratidão por lhe ter sido dada a chance de viver. Sentia em si o desejo de fazer algo pelos outros. E logo essa alteridade em direção à qual se movia a nova compaixão que o habitava recebeu um rosto e um nome: o de Mark Strohan. Após consultar as famílias dos dois outros homens mortos pelo texano e delas receber a aprovação para o que desejava fazer, Rais lançou-se de corpo e alma na luta para libertar Strohan da injeção letal que deverá levá-lo à morte no próximo mês de julho.

Sua conduta chama a atenção e surpreende a opinião pública. Bhuys tem que dar entrevistas explicando por que, em vez de vingar-se, escolheu perdoar. Como vítima do ódio, não seria mais lógico alegrar-se com a morte do agressor? A esta pergunta ele responde dizendo que deseja quebrar o ciclo do ódio e que o único caminho para isso é o perdão. Não vê Strohan como inimigo, mas como seu semelhante. Entende o que fez como fruto de uma perda de consciência e privação de sentidos. Deseja resgatá-lo como ser humano e dar-lhe a chance de ter sua vida de volta e redescobrir-se como ser humano. Trabalhando em parceria com a advogada do condenado, Bhuys tem esperança de conseguir seu intento. Quer encontrar-se com Strohan, falar com ele, declarar-lhe pessoalmente seu perdão. Ao saber disso, o texano chorou muito. Está disposto a receber seu defensor na prisão. O perfume do perdão derramado sobre o ódio e a violência que separou estes dois homens ungiu a distância e inaugurou uma nova aproximação. Uma ponte foi construída, o fosso foi transposto, Bhuys e Strohan contemplam sua condição de seres criados para o amor e a relação, recém-recuperada e renovada.


Contra a irracionalidade da violência, apenas a irracionalidade do perdão pode ter algum poder, alguma eficácia. Porque, como a palavra mesma diz, per-doar é persistir no dom. O dom da vida foi generosamente concedido a Strohan e a Bhuys. Rompido pela violência de um, é restaurado pelo perdão do outro que persiste na doação. E o dinamismo vital continua em movimento, sem ser lançado no país escuro do “rigor mortis”. Contemplando a maravilha deste milagre, louvamos a Deus que criou a Strohan e a Bhuys à sua imagem e semelhança.


*Maria Clara Bingemer, professora do Departamento de Teologia da PUC-Rio, é autora de 'Simone Weil - A força e a fraqueza do amor' (Ed. Rocco).

domingo, 19 de junho de 2011

Convite à Ordenação Diaconal

A Custódia Provincial Imaculada Conceição do Brasil da Ordem dos Frades Menores Conventuais e os confrades Ilson Fontenele e Luiz Fernando tem a alegria em convidar para a Celebração Eucarística, nas quais serão ordenados diáconos da Igreja do Senhor, segue os respectivos convites:


Clique na foto para ampliar

Clique na foto para ampliar

sábado, 18 de junho de 2011

Violência no norte do Brasil revela descaso

“Pouco se fez para proteger as famílias”, afirma CNBB

BRASÍLIA, sexta-feira, 17 de junho de 2011 (ZENIT.org) - Os recentes episódios de violência e morte no norte do Brasil, atingindo pequenos agricultores, povos originários das florestas e quilombolas, revelam o descaso do Estado brasileiro com um quadro já anunciado.
Esse é o teor de uma nota da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil) divulgada nesta sexta-feira, após as reuniões desta semana dos bispos que chefiam os diferentes departamentos do organismo.
“No caso específico dos recentes atos de violência e morte, as ameaças já eram de conhecimento das autoridades competentes. Infelizmente pouco foi feito para proteger estas famílias”, afirma a nota.
Somente no final de maio, quatro agricultores foram assassinados por causa de conflitos agrários na região. No início de junho, outro trabalhador rural – Obede Loyla Souza, 31 anos, segundo informa a Comissão Pastoral da Terra –, foi assassinado em Pacajá, no Pará.
Segundo a CNBB, os fatos são “de tal gravidade que exigem a apuração imediata com a consequente punição dos culpados, bem como a proteção a todas as lideranças camponesas ameaçadas de morte, para que haja justiça em nosso país”.
“As muitas vidas ceifadas devido aos conflitos agrários alertam a sociedade e o Estado para a necessidade de ações urgentes e eficazes que contribuam para consolidar a segurança no campo.”
“A realidade de violência evidencia a gravidade da ausência do Estado naquela região. Não podemos permitir que prevaleça a lei do mais forte, pois significa a compactuação com as graves injustiças geradas especialmente pela extração ilegal de madeira e pela ocupação ilegal do solo”, afirma a CNBB.
Código Florestal
Em outra nota divulgada nesta sexta-feira, a Conferência Episcopal aborda a discussão do Código Florestal brasileiro, que atualmente tramita no Senado.
Segundo a CNBB, a “flexibilização da legislação ambiental, aprovada pela Câmara dos Deputados, motivo de muita polêmica, é prova contundente de que o País poderá se colocar na contramão deste importante debate mundial”.
“As decisões sobre o Código Florestal não podem ser motivadas por uma lógica produtivista que não leva em consideração a proteção da natureza, da vida humana e das fontes da vida. Não temos o direito de subordinar a agenda ambiental à agenda econômica.”
Os bispos assinalam alguns aspectos já aprovados na atual discussão sobre o Código Florestal que “nos preocupam”.
Entre eles, “a flexibilização da Lei altera o regramento das Áreas de Preservação Permanente – APPs, que protegem as margens dos rios, encostas, topos de morro, ameaçando o equilíbrio de proteção das florestas”.
E também “a anistia das multas e penalidades pelas ocupações e desmatamentos em áreas de agropecuária e de alta relevância ambiental”.
“No Novo Código Florestal não pode faltar o equilíbrio entre justiça social, economia e ecologia, como uma forma de garantir e proteger as comunidades indígenas e quilombolas e defender as pequenas propriedades e a agricultura familiar”, afirma a CNBB.

--- --- ---
Fontes: Nota sobre o Código Florestal: http://www.zenit.org/article-28249?l=portuguese
Nota sobre a violência na região amazônica: http://www.zenit.org/article-28248?l=portuguese 
(Alexandre Ribeiro)

quinta-feira, 16 de junho de 2011

Nel Nome del Cuore 2011

Veja aqui a participação de nosso confrade Frei Alércio no programa "Nel Nome del Cuore" na principal rede de televisão da Itália!



Parabéns Frei Alércio! Nos alegramos pela divulgação que estás fazendo de nossa Ordem!

sexta-feira, 3 de junho de 2011

Ordenação Diaconal

A Igreja e a Custódia Provincial Imaculada Conceição dos Frades Menores Conventuais tem a alegria de anunciar a aprovação ao Ministério Diaconal os Frades: Luiz Fernando Rangel, OFMConv e Ilson Fontinelli Junior, OFMConv.


Frei Ilson Junior
Frei Ilson será ordenado pelo bispo Dom Paulo Cezar Costa, Bispo auxiliar da arquidiocese do Rio de Janeiro, na nossa Paróquia em Araruama/RJ no dia 06 de agosto de 2010.

Frei Luiz Fernando
Frei Luiz Fernando no dia 03 de setembro de 2010 na Paróquia São Francisco de Assis no Rio de Janeiro, pelo Dom Frei Elias James Manning, OFMConv. Bispo de Valença/RJ

Em breve mais detalhes sobre as ordenações de nossos confrades!

Contamos com o carinho e a oração de todos!

Espiritualidade: Trezena de Santo Antônio


SÚPLICA (para todos os dias)

Meu querido Santo Antônio, Santo dos mais carinhosos, o vosso ardente amor de Deus, as vossas sublimes virtudes e grande caridade para com o próximo vos mereceram durante a vida o poder de fazer milagres espantosos. Nada vos era impossível senão deixar de sentir compaixão pelos que necessitavam da vossa eficaz intercessão. A vós recorremos e vos imploramos que nos obtenhais a graça especial que neste momento pedimos. Ó bondoso e santo taumaturgo, cujo coração estava sempre cheio de simpatia pelos homens, segredai as nossas preces ao Menino Jesus que tanto gostava de repousar nos vossos braços. Uma palavra vossa nos obterá as mercês que pedimos.

1º Dia - SANTO ANTÔNIO E A ETERNIDADE

- Sinal da cruz
- Palavra de Deus: "Não se perturbe o vosso coração. Credes em Deus; crede também em mim. Na casa de meu Pai há muitas moradas. Se não fosse assim, eu vos teria dito; pois Eu vou preparar-vos um lugar" (Jo 14, 1-2).
- Palavra do Santo: "Então teus olhos serão realmente saciados, porque verás aquele que tudo vê... Então tua alma será realmente uma rainha, ela que agora é uma escrava aqui no exílio; teu corpo ficará repleto de felicidade e tua alma será glorificada. Teu coração dilatar-se-á numa alegria indescritível".
- Oração: Senhor, Deus da vida, vós nos criastes para vós, e o nosso coração estará inquieto até que em vós não repouse. Concedei-nos a graça de caminhar decididos rumo à Pátria celeste para a qual nos dirigimos, sem esquecer o bem que nos cabe realizar nesta vida para obtermos a vida eterna. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo. Amém!
- Pai-nosso... Ave-maria... Glória ao Pai...


2º Dia – SANTO ANTÔNIO E A MISSÃO


- Sinal da cruz
- Palavra de Deus: "Vós sois o sal da terra... Vós sois a luz do mundo... Que a vossa luz brilhe diante dos homens para que eles vejam as boas obras e louvem o Pai que está no céu" (Mt 5, 13-16).
- Palavra do Santo: "O fiel Cristão, iluminado pelo resplendor de Cristo, deve emitir centelhas de palavras e exemplos para, com eles, inflamar o próximo".

- Oração: Senhor, Vós nos criastes sem nós, mas sem nós não nos salvareis. Como aconteceu com Santo Antônio, fazei com que entendamos a nossa missão neste mundo, junto a nossa família e a nossa comunidade. Que ninguém de nós passe por este mundo na indiferença e na omissão. Com vossa ajuda e a proteção de Santo Antônio possamos produzir frutos de justiça e de paz, de fraternidade e amor, em Cristo, na unidade do Espírito Santo. Amém!
- Pai-nosso... Ave-maria... Glória ao Pai...


3º Dia – SANTO ANTÔNIO E A CRUZ

- Sinal da cruz
- Palavra de Deus: "Quem não toma a sua cruz e não me segue não é digno de mim (Mt 10,38)
- Palavra do Santo: "O Cristão deve apoiar-se na Cruz de Cristo, como o peregrino se apóia no bastão quando empreende uma longa viagem... Dirijamos nossos olhares a Jesus, nosso Senhor, pregado na Cruz da Salvação".
- Oração: Senhor, o vosso amor se manifesta de infinitos modos, mas o maior gesto de amor ficou selado na Cruz redentora de vosso Filho. "Ninguém tem maior amor do que aquele que dá a vida pelos seus". Senhor, a Cruz também foi assumida por Santo Antônio e anunciada como o grande sinal da Ressurreição. Dai-nos fé e coragem para tomá-la a cada dia e seguir-vos na doação pelos irmãos. Amém!

- Pai-nosso... Ave-maria... Glória ao Pai...


4º Dia – SANTO ANTÔNIO E A EUCARISTIA
- Sinal da cruz
- Palavra de Deus: "Eu sou o pão da vida: aquele que vem a mim não terá fome, e aquele que crê em mim jamais terá sede" (Jo 6,35).
- Palavra do Santo: "No altar, sob as aparências de pão e de vinho, está presente o próprio Jesus, vivo e glorioso, revestido daquela carne humana com que outrora Ele se ofereceu e ainda hoje continua se oferecendo todos os dias como vítima ao divino Pai".
- Oração: Senhor Jesus Cristo, que na Eucaristia nos deixastes o memorial da vossa Páscoa, concedei-nos a graça de que este mistério do vosso Corpo e do vosso Sangue realize a redenção e transforme a nossa vida numa comunhão sempre mais plena convosco e com os irmãos. Vós que viveis e reinais na unidade do Espírito Santo. Amém!
- Pai-nosso... Ave-maria... Glória ao Pai...


5° Dia – SANTO ANTÔNIO E MARIA
- Sinal da cruz
- Palavra de Deus: "Maria, Tu és feliz porque acreditaste, pois se hão de cumprir as coisas que da parte do Senhor te foram ditas"(Lc 1,45).
- Palavra do Santo: "O Senhor criou o paraíso terrestre e colocou nele o homem, para que o cultivasse e o guardasse: infelizmente, Adão o cultivou mal. Foi então necessário que Deus plantasse outro paraíso, muitíssimo mais belo: Nossa Senhora".
- Oração de Santo Antônio:Rainha nossa, insigne Mãe de Deus, nós te pedimos: faze com que nossos corações fiquem repletos da graça divina e resplandeçam de alegria celeste. Fortalece-os com a tua fortaleza e enriquece-os de virtudes. Derrama sobre nós o dom da misericórdia, para que obtenhamos o perdão de nossos pecados. Ajuda-nos a viver de modo a merecer a glória e a felicidade do céu. Amém!

- Pai-nosso... Ave-maria... Glória ao Pai...


6º Dia – SANTO ANTÔNIO E O ESPÍRITO SANTO

- Sinal da cruz
- Palavra de Deus: "O Espírito Santo, que o Pai vai enviar em meu nome, vos ensinará todas as coisas e vos lembrará tudo o que eu vos disse". (Jo 14,26)
- Palavra do Santo: "Em contato com o Espírito Santo, a alma vai, pouco a pouco, perdendo suas manchas, sua frieza, sua dureza e transformando-se totalmente naquele fogo aceso nela".
- Oração: Ó Deus, vosso Espírito criou do nada todas as coisas; tornou-se a força dos profetas e a coragem dos mártires. Pelo Espírito Santo, vosso Filho foi concebido no seio de Maria e por Ele nasceu a Igreja no mundo. Vosso Espírito fez de Antônio o santo de todos os povos e o pregador de vossa Palavra. Que sua luz nos ilumine sempre e nos transforme, de pecadores que somos, em santos para vossa glória. Amém!

- Pai-nosso... Ave-maria... Glória ao Pai...


7º Dia – SANTO ANTÔNIO E JESUS CRISTO


- Sinal da cruz
- Palavra de Deus: "Jesus Cristo é sempre e o mesmo: ontem, hoje e por toda a eternidade. Não vos deixeis desviar por doutrinas estranhas" (Hb 13, 8-9)
- Palavra do Santo: "Ele veio para ti para poderes ir a Ele".
- Oração: Senhor, Vós revelastes o vosso amor, vossa bondade, vosso perdão e vossa imagem em Cristo Jesus. Fazei com que possamos reconhecê-Lo e amá-Lo, segui-Lo e indicá-Lo sempre aos nossos irmãos, pelo exemplo de vida, por nossas boas obras e pela nossa palavra. Por intercessão de Santo António, fazei com que nossa fé seja sempre mais viva e nossa missão sempre mais corajosa e fiel. Amém!

- Pai-nosso... Ave-maria... Glória ao Pai...


8° Dia – SANTO ANTÔNIO, MODELO DE AMOR
- Sinal da cruz
- Palavra de Deus: "O meu mandamento é este: amai-vos uns aos outros, assim como Eu vos amei. Não existe maior amor do que dar a vida pelos amigos" (Jo 15,13).
- Palavra do Santo: "Existe um só amor para com Deus e para com o próximo. Este é o Espírito Santo, porque Deus é Amor".
- Oração: Senhor, Vós sois amor revelado na Trindade. Por amor nos criastes e por amor nos sustentais. No amor nos salvastes e no amor nos destes o primeiro e o maior de todos os mandamentos. Com Santo António, modelo de amor, possamos nos dedicar ao vosso serviço, no serviço dos irmãos. Senhor, que vosso amor se torne sempre mais a grande força transformadora do mundo. Por Cristo, na unidade do Espírito Santo. Amém!
- Pai-nosso... Ave-maria... Glória ao Pai...


9º Dia – SANTO ANTÔNIO, MODELO DE ESPERANÇA
- Sinal da cruz
- Palavra de Deus: "A tribulação produz a paciência, a paciência prova a fidelidade e a fidelidade comprovada produz a esperança. E a esperança não decepciona" (Rm 5, 4-5).
- Palavra do Santo: "A esperança é a expectativa dos bens futuros... Ao desesperado falta a coragem para progredir".

- Oração: Senhor, como faz bem ter esperança e cultivar a esperança. Em vós nossas esperanças sempre encontram resposta. E a cada resposta que vem de vós, nasce uma nova esperança. Nós vos pedimos, Senhor, que nosso coração seja fortalecido pela virtude da esperança e que nosso olhar se fixe lá onde se encontram as verdadeiras e eternas alegrias. Com Santo Antônio, renovai nossas esperanças em Jesus Cristo, na unidade do Espírito Santo. Amém!
- Pai-nosso... Ave-maria... Glória ao Pai...


10º Dia – SANTO ANTÔNIO, MODELO DE FÉ
- Sinal da cruz
- Palavra de Deus: "Os apóstolos disseram ao Senhor: "Aumenta-nos a fé!" Disse o Senhor: "Se tiverdes fé como um grão de mostarda, direis a esta amoreira: Arranca-te e transplanta-te no mar, e ela vos obedecerá". (Lc 17,5-6)
- Palavra do Santo: "Para o cristão, crer em Deus não significa tanto acreditar que Ele é verdadeiro e fiel; significa sim acreditar amando".
- Oração: Senhor, nós vos agradecemos pelo dom da fé que nos faz ver além das aparências as pessoas e os fatos. Fazei que nos dediquemos continuamente no crescimento da fé, pelo conhecimento da vossa palavra, pela oração e pela busca sincera da verdade. Que o exemplo de Santo Antônio nos ajude a viver uma fé sincera e corajosa, forte e segura. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, na unidade do Espírito Santo. Amém!

- Pai-nosso... Ave-maria... Glória ao Pai...


11º Dia – SANTO ANTÔNIO, MESTRE DA VERDADE
- Sinal da cruz
- Palavra de Deus: "Aquele que pratica a verdade, vem para a luz. Torna-se assim claro que as suas obras são feitas em Deus" (Jo 3,21).
- Palavra do Santo: A verdade convence e "nossa linguagem é penetrante quando é nosso agir que fala".

- Oração: Ó Santo Antônio, homem cheio de sabedoria, que através de teus ensinamentos, foste uma luz para a Igreja, ilumina o nosso caminho com a verdade do Evangelho e ensina a nossa sociedade a distinguir o bem do mal, para que jamais nos deixemos envolver pelas trevas do erro e da mentira. Por Cristo, na unidade do Espírito Santo. Amém!

- Pai-nosso... Ave-maria... Glória ao Pai...


12º Dia – SANTO ANTÔNIO, MESTRE DA ORAÇÃO
- Sinal da cruz
- Palavra de Deus: "Tudo o que pedirdes com fé na oração, vós alcançareis" (Mt. 21,22).
- Palavra do Santo: "A pessoa reza quando adere a Deus no amor e, em certo sentido, fala com Deus de maneira familiar e devota".
- Oração: Senhor, nós somos necessitados de mais vida e reconhecemos que Vós sois a fonte de todos os bens. A Vós recorremos na oração para nos manter em sintonia convosco. De coração arrependido, pedimos perdão de nossos pecados. De coração agradecido, vos louvamos pelas vossas maravilhas em favor da vida. Com Santo Antônio, mestre da oração, estamos em vossa presença como filhos. Amém!
- Pai-nosso... Ave-maria... Glória ao Pai...


13º Dia – SANTO ANTÔNIO, MESTRE DO EVANGELHO

- Sinal da cruz

- Palavra de Deus: "Não só de pão vive o homem, mas de toda a Palavra que sai da boca de Deus".
- Palavra do Santo: "São os pobres, os simples, os humildes, que têm fome e sede da Palavra da Vida".

- Oração: Senhor, a vossa Palavra é o alimento de nosso espírito e a luz em nosso caminho. Abri nosso coração para acolhê-la, nossa mente para entendê-la e motivai nossa vontade para praticá-la. Por intercessão de Santo Antônio, mestre do Evangelho, fazei com que consigamos orientar nossa vida pessoal, familiar e comunitária com a verdade libertadora de vossa Palavra. Amém!

- Pai-nosso... Ave-maria... Glória ao Pai...

Fonte:http://www.reflexoesfranciscanas.com.br/p/oracoes.html

Os Mais Vistos