Ordem dos Frades Menores Conventuais - Custódia Provincial Imaculada Conceição dos Franciscanos Conventuais do Rio de Janeiro - PAZ & BEM!!!

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

A PRESENÇA DO DEMÔNIO NOS FIORETTI DE SÃO FRANCISCO DE ASSIS.

Por: JUDAR, Vandergleison (UEL)

INTRODUÇÃO
A figura do mal sempre esteve presente em diversas culturas. No que
se refere ao ambiente cristão, não é diferente. Neste, o mal se apresenta na imagem
do demônio, reconhecido através de seu nome pessoal Lúcifer ou ainda o mais popular
Diabo. A idéia de um ser maléfico assumindo uma personalidade foi uma imagem
forjada ao longo da história desde a antigüidade. Percebemos isto, através das várias
influências de diversas culturas como a babilônica, por exemplo, sobre o judaísmo.
Como o judaísmo é a religião de onde o cristianismo surge, tais influências são também
absorvidas por ele, deste modo, o mal será redimensionado tornando-se uma figura
real, personificada, tão presente quanto o próprio Deus. Os séculos que separam a
Antigüidade da Idade Média serviram para fortificar ainda mais a imagem deste ser tão
temido e tão odiado. Pouca ênfase a igreja primitiva deu ao Diabo, contudo na Idade
Média, precisamente séculos XI-XII, lhe é dado mias espaço, ocupando o rico
imaginário do período. Então, durante a Idade Média, a imagem do demônio causava
medo, trazia todos os tormentos e tentações, apoiado pelos seus subalternos para
desviar os fiéis dos caminhos do Senhor. Por isso, durante este momento da história, o
Diabo foi muito aproveitado pela própria Igreja, que através do medo buscava a
salvação de seus fiéis. Sendo assim, buscaremos compreender em uma fonte do
período, precisamente do século XIV, denominada os Fioretti de São Francisco de
Assis, a imagem do demônio, na qual o “inimigo” é visto em consonância com a
realidade sócio-cultural, rico em toda representação que o mal possui naquele
momento. No entanto, percebemos um diferencial encontrado no texto, que nos
apresenta um curioso aspecto sobre o qual iremos nos debruçar um pouco mais.

1. A EVOLUÇÃO DA IMAGEM DO DIABO NO IMAGINÁRIO CRISTÃO
A palavra evolução se relaciona a algo processual, progressivo e até
mesmo teleológico. A dificuldade de utilizarmos outro termo é a de que no fim ele
possa trazer outras possibilidades e implicações inerentes também. O que estamos
propondo é demonstrar que houve, no decorrer da história, uma espécie de ampliação
da perspectiva do mal, sua presença e atuação. De fato, a idéia não se trata bem de
um processo, mas em todos os casos manteremos a palavra evolução, esperando que
ela dê suporte a nossa proposta de demonstrar, mesmo de maneira sucinta, as
diferentes perspectivas com que o demônio foi enxergado desde a antiguidade judaica
até Idade Média, precisamente no século XIV. No processo de desenvolvimento da
religiosidade hebréia, se firmou o monoteísmo e o Deus da aliança, Javé1, possuía
características tanto benéficas quanto maléficas, dispensando assim, a necessidade de
um personagem que representasse o mal, afinal a própria divindade cumpria esse
papel. Aos poucos esse povo que era nômade ou ainda semi-nômade, que vivia em
tribos quase dispersas, passou por um processo de fixação, em conseqüência disso, a
religião patriarcal, passará a ter santuários fixos, sistemas elaborados de sacrifícios
com todas as implicações imagináveis para o conceito de Deus. Conseqüentemente
acontece grandes alterações na religiosidade deste povo, que foi acentuada ainda mais
pela instauração da monarquia, onde questões políticas e imperiais passaram a
influenciar também suas concepções religiosas2. A própria demonologia não era
desenvolvida ainda. O próprio Deus de Israel possuía seres malignos, demônios, que
lhe serviam para instruir e manter a fidelidade monoteísta3. Na concepção de Carlos
Nogueira, a maior contribuição que os hebreus deram a figura do Diabo foi registrada
no livro de Jó. No qual o Diabo é um ser ativo, aparecendo em um diálogo com Deus
sobre o que fazer com o pobre Jó. Graças a este texto de essência poética o diabo foi
imortalizado. O contato com os outros povos como os babilônicos e caldeus,
fortificaram esta influência da imagem do mal, surgindo o chefe do cortejo demoníaco
na figura de Lúcifer. Mas, é durante o período helênico que de fato, as várias
religiosidades confluem, desenvolvendo uma demonologia bem consistente, motivada
pela ética da escola neoplatônica4. Deste modo os evangelhos e o Apocalipse de João
deram o espaço devido ao inimigo de Deus, ao anjo decaído. A tentação de Jesus
(Mateus 4,1) é um exemplo, na qual demonstra o demônio em ação, assumindo a
imagem de tentador. Aos poucos ele fará parte do dogma fundamental do cristianismo,
que é a queda e a redenção do homem por Cristo na cruz5. O Diabo será estudado
pelos pais da Igreja, embora a Igreja primitiva não se preocupasse muito com ele, a
imagem deste ser do mal estava presente e ganharia cada vez mais autoridade e
atributos na história do cristianismo, com a grande explosão demoníaca nos séculos XI
e XII6 já na Idade Média.

1.1 O MEDO E A PRESENÇA DO MAL
O medo era um sentimento constante no ocidente cristão medieval.
Este medo era pensado de maneira distinta, quando se relacionava a temática da
morte7. Aliás, tema este que foi muito explorado pela Igreja na medievalidade, a
intenção desta era provocar a reação dos fiéis ouvindo as narrativas e sermões ou
vendo iconografias sobre tal tema. A Igreja conseguia, portanto, estrategicamente usar
as imagens que se relacionavam ao medo para exortar e dirigir os fiéis à salvação.
Sendo assim, a Igreja conduzia os fiéis a se verem diante da fugacidade dos prazeres
do tempo terreno, a ser impactado pela possibilidade do inferno e conseqüentemente
abandonar seu mau caminho. Deste modo, Visalli nos diz que o tema da morte e suas
conseqüências os sofrimentos da alma dos pecadores, o detalhamento da
desintegração do corpo, que aos nossos olhos modernos parece bastante incômodo é
bastante recorrente, pretendendo exortar os homens à penitência por meio da reflexão
sobre a morte8 e o medo de cair nas garras do Diabo. As imagens horrendas ou nas
mais clássicas expressões utilizadas no período, (que chega aos nossos dias),
“macabras”, das forças infernais, do demônio à espreita para levar a alma à perdição,
foi bem explorado, a exemplo de Jean Delumeau, buscando provocar a reação
desejada, ou seja, a conversão através do medo9.
 
2. APRESENTANDO OS FIORETTI
Os Fioretti são uma fonte produzida ou pelo menos traduzida no século
XIV, para o italiano (escrita em algum dialeto menos conhecido), para compreendermos
melhor podemos perceber que Os Fioretti são um florilégio, uma coletânea maravilhosa
e inimitável de episódios, “milagres e exemplos devotos”, os mais belos e mais
significativos da vida do Pobrezinho de Assis e de alguns de seus companheiros.
Substancialmente, eles referem a gestos e palavras de Francisco, que em geral podem
ser considerados históricos ou de boa tradição oral10. Percebemos que esta fonte
trabalha com gestos e palavras de Francisco, mas com alguns florilégios, no
aproveitamento do nome e do espírito da obra. O nome Fioretti se origina de um título
bastante comum na literatura medieval e se refere a narração de milagres e exemplos.
Deste modo, encontramos nesta fonte além das referências de milagres de São
Francisco, também a idealizações de seus seguidores ou de quem a compôs. Isto se
comprova através de uma classificação estilística desta como novelística11. Neste
sentido percebemos que os Fioretti, desenvolveram uma imagem muito positiva, até
mesmo deificada de São Francisco e do mundo a sua volta, ao que Segre comenta que
a realidade nos Fioretti, não fala mais alto, não há mais drama, minimiza-se a dor.
Remove-se o peso do mal. Há uma realidade cândida, rarefeita, terna atmosfera, até
mesmo maravilhosa, onde um senso mítico estimula a própria narrativa, seria um
pouco do paraíso na terra – de uma religiosidade serena e contemplativa12. Fruto desta
realidade serena e contemplativa é então, construída cada parte encontrada sobre os
feitos de nosso personagem, na maioria das vezes se embasando nesta realidade
mítica, onde o seu exemplo é usado para tocar os corações convertendo-os a Cristo e
ao mesmo tempo também para combater as forças do Diabo.
Os Fioretti são uma coletânea, ligada a tradição oral, produzida ou pelo menos
traduzida em 1390. Alguns autores como Desbonnets, concordam que a obra trata-se
da vulgarização de outra fonte, do Actus Beati Francisci, que possui 76 capítulos, dos
quais o autor selecionou 53 os traduzindo para o italiano.
 
2.1 A IMAGEM DO DIABO NOS FIORETTI
Como descrevemos acima nossa fonte possui 53 capítulos, dos quais
se ocupam em grande parte, dos “grandes” feitos realizados pelo Santo. Contudo, há
pelo menos dois, o capítulo de número 23 (cap. 23) e o de número 29 (cap. 29), nos
quais as forças do mal atuam. O primeiro (cap.23), se refere a uma visão de São
Francisco, onde em oração no convento da Porciúncula ele vê sobre o convento, uma
legião de demônios, mas a santidade dos frades era tanta que eles não tinham por
onde entrar. Porém,, um dos frades tomado de ódio em relação a outro interno, abriu a
brecha para que o demônio entrasse: “mas, perseverando todavia assim, um dia um
daqueles frades se escandalizou com um outro, e pensava no seu coração como
poderia acusá-lo e vingar-se dele. Pelo que, continuando ele com este mau
pensamento, o demônio, achando a porta aberta13, entrou no convento e montou no
pescoço daquele frade”14. Aqui começa a diferenciação quanto a forma de se encarar o
mal. Aspecto que detalharemos melhor adiante. São Francisco de Assis é descrito
como um pastor que cuidava de seu rebanho e mandou chamar o frade, exortando-o a
se desfazer de todo o ódio, descrito no texto como veneno. O frade muito arrependido
se volta a Francisco pedindo-lhe a penitência: Pelo que atemorizado, por se ver assim
compreendido pelo santo pai, descobriu todo o veneno e rancor, e reconheceu sua
culpa e pediu-lhe humildemente a penitência com misericórdia, e isto feito, absolvido
que foi do pecado e recebendo a penitência, imediatamente diante de S. Francisco o
demônio se foi15. A presença do bom pastor Francisco, sua bondade, tem autoridade
para expulsar o demônio, permitindo que o frade vivesse, a partir daquele momento,
em grande santidade. Todo o instrumental utilizado pela Igreja, água benta, rezas e
orações, bem como a autoridade reconhecida do nome do salvador, normalmente
realizada nos rituais de combate ao demônio, são reduzidos a presença de São
Francisco influenciados pela visão de sua santidade, afinal não são poucos os textos
que o colocam como espécie de outro Cristo16. Quanto ao segundo (cap. 29), a
descrição do texto é ainda mais curiosa. O Diabo aparece a frei Rufino, um dos mais
santos dentro da ordem. A estratégia utilizada pelo demônio é aparecer a este em
forma de crucifixo17, dizendo que ele não precisa cumprir nenhuma exigência da
ordem, pois ele já estava predestinado a condenação. Esta seria uma cilada, uma
armadilha para desviar frei Rufino da fé. Ao que o texto deixa claro que o frade acredita
na aparição e é tomado de uma tristeza sem igual, mas ainda mantém sua vigilância. O
demônio lhe dizia também: “E crê em mim, porque sei a quem escolhi e predestinei, e
não creias no filho de Pedro Bernardone, se ele te disser o contrário, nada lhe
perguntes sobre isso, porque nem ele nem ninguém mais o sabe, senão eu, que sou o
filho de Deus: portanto crê-me com certeza que és do número dos danados; e o filho de
Pedro Bernardone, teu pai, e ainda o pai dele são danados e todo aquele que o seguir
está danado e enganado"18. A estratégia enganadora do Diabo, não apenas coloca frei
Rufino a prova, mas também o impede de se abrir com o próprio Francisco, uma vez
que ele também estava condenado. Apenas a tristeza crescia dentro do coração do
frade. A construção demonstra o prazer do Diabo em atingir os santos, afinal pessoas
comuns geravam certo mérito, mas os santos que caiam em suas tentações, geravam
uma satisfação ainda maior. Da mesma maneira como no cap. 23, através de uma
revelação São Francisco sabe o que está havendo com Frei Rufino e como está sendo
tentado. Indo São Francisco ao encontro deste lhe diz: “Ó Frei Rufino mauzinho, em
quem acreditaste? "E Frei Rufino aproximando-se, ele lhe disse em ordem toda a
tentação que tinha tido do demônio dentro e fora; mostrando-lhe claramente que aquele
que lhe havia aparecido fora o demônio e não Cristo, e que por maneira nenhuma ele
devia consentir em suas sugestões”19. A instrução de São Francisco foi que ao
aparecer de novo o demônio, Rufino deveria lhe dizer algo que o faria ir embora. Deste
modo, tomado de arrependimento e consolado por Francisco, Rufino volta a sua sela.
Já fortalecido pelas admoestações do santo, estando em oração, aparece-lhe o
“inimigo” na figura de Cristo, declarando estar danado, para não se desgastar com as
orações ao que Rufino lhe disse. “abre a boca que a encherei de esterco ao que o
demônio enraivecido saiu, provocando a precipitação de grandes pedras, que até hoje
se pode vê-las”, diz o texto. A experiência termina com a visita de Cristo, bendizendo
Rufino por ter crido em Francisco e ao mesmo tempo, dizendo que ele nunca mais teria
tristeza nesta vida, seria um sinal, uma demonstração de sua visita. Ao que São
Francisco diz que Rufino foi canonizado em vida, chamando-o de S. Rufino.
 
CONCLUSÃO
Difícil não pensar no grotesco, ao lermos o texto do cap.29. Talvez esta tenha sido a
primeira tentativa com sucesso, dentro dos relatos sobre o Diabo, de uma expulsão
com esterco. Percebemos que novamente os utensílios sagrados, a água benta, o sinal
da cruz, o nome do salvador, tidos costumeiramente como eficientes contra o demônio
foram substituídos por uma estranha maneira de repeli-lo. Delumeau, enfatiza bastante
a idéia do medo sobreposto sobre a horrenda imagem de Lúcifer, ao que Nogueira diz
que sobre este também está o riso. Ou seja, não é apenas medo que ele causa. Como
estamos lidando com um texto do séc. XIV, acreditamos que a cultura popular já estava
elaborando suas maneiras de se protegerem do mal, de lidarem com ele de maneira
mais tranqüila, do que apenas pelo viés do pavor. Isto será comprovado a partir do
teatro alemão que se utilizou grandemente da imagem do Diabo. Segundo Delumeau
esta foi uma forma da cultura popular se defender da Teologia horripilante e de toda a
representação surgida pela imagem deste. Pois, ao contrário do que se pensa, não foi
a Idade Média, mas sim a moderna a grande responsável pela disseminação da
imagem do inferno. Isto faz com que olhemos para a Idade Média com olhar
diferenciado no que tange ao mal. E aos Fioretti, fica a consideração de por estar
ligada fortemente a uma tradição oral, a presença do diabo, foi utilizada de uma forma
mais ligada ao riso e ao grotesco, ao passo que podemos imaginar o demônio
montando cavalo em um dos frades. Ao mesmo tempo, percebemos que em cada um
dos textos a imagem de São Francisco foi exaltada. Onde sua presença ou orientação
eram suficientes para repelir o mal, deixando-se evidente que o mais importante nos
Fioretti,continuava sendo o pobrezinho de Assis. .


NOTAS:
1 Optamos por usar a forma Javé, que é uma possível tradução para o tetragrama YHWH,
originário da língua hebraica, que se refere ao nome de Deus, O termo aparece 5.321 vezes
no A.T., CF. HARRIS, R. Laird; ARCHER, Gleason L.; WALTKE, Bruce K. Dicionário
Internacional de Teologia do Antigo Testamento. São Paulo, 1998, p. 345.
2 GERSTENBERGER, Erhard S. Deus no Antigo Testamento. São Paulo: ASTE, 1981, p. 17.
3 NOGUEIRA, Carlos Roberto F. O diabo no imaginário cristão. São Paulo: Ática, 1986, p. 8.
4 Id. Ibid., p. 14.
5 Cf. Nogueira nos primeiros séculos da Igreja (séc. II e III), foi formalizado pela Igreja, tanto no
Ocidente como no Oriente, o conceito de que a queda, fazia parte de uma batalha cósmica,
iniciada antes da Criação, quando metade das falanges celestiais se voltaram contra Deus.
6 Jacques Le Goff. Apud. DELUMEAU, Jean. A História do Medo no Ocidente (1300-1800).
São Paulo: Companhia das Letras, 1990, p. 239.
7 Uma obra de referência ao tema da morte é a obra de Áries: ARIÈS, Philippe. História da
Morte no Ocidente. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1977.
8 VISALLI, Angelita Marquês. Cantando até que a morte nos salve: estudo sobre laudas
italianas dos séculos XIII e XIV. Tese. São Paulo, Universidade de São Paulo, maio/2004,
p.111.
9 Cf. Delumeau um dos grandes medos que afligiam a sociedade medieval era o medo
escatológico. O fim do mundo e o juízo final estremeciam qualquer fiel do medievo.
10 SILVEIRA, Ildefonso (OFM) & REIS, Orlando (seleção e organização). São Francisco de
Assis: Escritos e Biografias de São Francisco de Assis, Crônicas e outros Testemunhos
do Primeiro Século Franciscano. Petrópolis: Vozes/CEFEPAL, 1988, p. 1079.
11 SEGRE, Cesare. I Fioretti di San Francesco e la novellistica. In Francescanesimo In
Volgare (Secoli XIII – XIV). Atti Del XXIV Convegno internazionale. Assisi: 1996. Centro Italiano
Societá Internazionale di Studi Francescani Centro Interuniversitario di Studi Francescani, p.
339.
12 Id. Ibid. p. 352.
13 Cf. NOGUEIRA, o Diabo está sempre atento ao menor deslize, a menor possibilidade de
ganhar, ou melhor usurpar seu espaço. Qualquer brecha, qualquer oportunidade, de fato é
aproveitada por Ele.
14 SILVEIRA, Ildefonso (OFM) & REIS, Orlando (seleção e organização).p. 1126.
15 Ibid.
16 São Francisco não se trata de um santo comum para a Igreja. Canonizado em um dos
processos mais rápidos da história (dois anos após sua morte), a questão de sua experiência
8
no monte Alverne e conseqüentemente seus estigmas também fortificam essa perspectiva de
vê-lo como um outro Cristo.
17 Para Cesarius de Heisterbach, escrevendo para instruir os monges de Cister, diz que o
demônio pode provocar calamidades, ruídos inesperados, mas também podia assumir várias
formas: um urso, um cavalo, um gato, um macaco, um sapo, um corvo, um abutre e também o
crucifixo. Apud. Nogueira, p.46.
18 SILVEIRA, Ildefonso (OFM) & REIS, Orlando. Ibid., p. 1143.
19 Id. Ibid.

BIBLIOGRAFIA:
CAMPAGNOLA, Stanislao da (OFM) . Francesco D'Assisi nei suoi Scritti e nelle sue
Biografie dei Secoli XIII-XIV. Assisi: Edizioni Porziuncola, 1981.
____. Francesco e francescanesimo nella società dei secoli XIII-XIV. Assisi:
Porziuncola, 1999.
DELUMEAU, Jean. A História do Medo no Ocidente (1300-1800). São Paulo:
Companhia das Letras, 1990.
FRANCESCANESIMO IN VOLGARE (SECOLI XIII-XIV). – Atti del XXIV Convegno
Internazionale (Assisi, ottobre 1996). Spoleto: Centro Italiano de Studi sull’Alto
Medioevo, 1997.
GERSTENBERGER, Erhard S. Deus no Antigo Testamento. São Paulo: ASTE, 1981.
HARADA, HERMÓGENES, Fr. Em Comentando I Fioretti: reflexões Franciscanas,
Intempestivas. Bragança Paulista: EDUSF; Curitiba: Faculdade São Boaventura,
2003.
JOHNSON, Paul. História do Cristianismo. Rio de Janeiro: Imago, 2001.
LE GOFF, Jacques. O Maravilhoso e o Quotidiano no Ocidente Medieval. Lisboa:
Edições 70, 1990
____. O Surgimento do Purgatório. Lisboa: Editora Estampa, 1993.
____. (sob direção de). O Homem Medieval. Lisboa: Presença, 1990.
____. São Francisco de Assis. Rio de Janeiro/São Paulo: Record, 2001.
MERLO, Grado Giovanni. Em nome de São Francisco: história dos Frades Menores
e do franciscanismo até inícios do século XVI. Petrópolis: Vozes, 2005.
NOGUEIRA, Carlos Roberto F. O diabo no imaginário cristão. Bauru: EDUSC, 2000.
SABATIER, Paul. Vida de São Francisco de Assis. Bragança Paulista: Editora
Universitária São Francisco/Instituto Franciscano de Antropologia, 2006.
9
SCHMITT, Jean Claude. Os vivos e os mortos na sociedade medieval. São Paulo:
Companhia das Letras, 1999.
SEGRE, Cesare. I Fioretti di San Francesco e la novellistica. In Francescanesimo In
Volgare (Secoli XIII – XIV). Atti Del XXIV Convegno internazionale. Assisi: 1996. Centro
Italiano Societá Internazionale di Studi Francescani Centro Interuniversitario di Studi
Francescani.
SILVEIRA, Ildefonso (OFM) & REIS, Orlando (seleção e organização). São Francisco
de Assis: Escritos e Biografias de São Francisco de Assis, Crônicas e outros
Testemunhos do Primeiro Século Franciscano. Petrópolis: Vozes/CEFEPAL, 1988.
VAUCHEZ, André. A Espiritualidade na Idade Média Ocidental. Rio de Janeiro:
Zahar, 1995.
VISALLI, Angelita Marquês. Cantando até que a morte nos salve: estudo sobre
laudas italianas dos séculos XIII e XIV. Tese. São Paulo, Universidade de São Paulo,
maio/2004.


* Copiado em PDF por isso esta formatação. Mas o Texto é muito interessante para a formação!

Nenhum comentário:

Os Mais Vistos