Ordem dos Frades Menores Conventuais - Custódia Provincial Imaculada Conceição - Franciscanos Conventuais do Rio de Janeiro - PAZ & BEM!!!

terça-feira, 7 de setembro de 2010

Vestes Litúrgicas: Casula



História da Casula
A casula origina-se da antiga vestimenta romana, o byrrus ou paenula, uma espécie de manto em forma de poncho que os homens vestiam sobre suas túnicas. Tal veste era de uso corrente no âmbito civil romano entre os séculos III-VI. Entre os séculos VI e VII, com a adoção da indumentária germânica (túnicas masculinas mais curtas acompanhadas de calças, mantos com aberturas no braço direito, etc) aos costumes romanos, a paenula foi paulatinamente sendo reservada ao uso eclesiástico, haja vista que os clérigos mantiveram o costume indumentário romano. No mosaico do século VI retratando a corte do Imperador Justiniano na Basílica de São Vital em Ravena, já é possível distinguir perfeitamente as vestimentas dos leigos e dos clérigos. Contudo, há menções a um antigo retrato de finais do século VI do Papa São Gregório I Magno junto com seu pai e ambos estão vestindo a paenula, muito embora o pai de São Gregório fosse leigo. Portanto, esse processo foi lento e não ocorreu simultaneamente em todas as regiões.

Mosaico do século VI em Ravena retratando a passagem bíblica da oração do fariseu e publicano, representados com trajes civis romanos.

Mosaico do século V na Basílica de Santo Ambrósio em Milão retratando Santo Ambrósio.

Mosaico do século VI retratando a corte do Imperador bizantino Justiniano I, Basílica de São Vital, Ravena. Note-se que já é possível distinguir os trajes civis dos eclesiásticos. O Arcebispo Maximiano é o único a estar vestindo a paenula.
Tendo sido reservada para uso litúrgico em meados do século VI, até o período carolíngio (séculos VIII-IX) a casula ainda será de uso geral para todos os ministros litúrgicos em algumas regiões. Somente no século IX que se torna veste exclusiva dos sacerdotes. Roma, contudo já seguia essa norma depois do século VII. É durante o período carolíngio também que as casulas sofrerão as primeiras modificações da decoração e formas. Para facilitar a movimentação dos braços, encurta-se um pouco nos lados ou na parte frontal.

Pintura do Saltério de Carlos, o Calvo, século IX. Nela podemos ver as casulas dos Bispos com encurtamento frontal.
Pintura do Evangeliário de Otto III, cerca do ano 1000. Nela vemos a casula do bispo com leve encurtamento lateral.
Ainda se usavam também as casulas cônicas, que se estendiam inteiras até os pés tal como a antiga paenula. A casula cônica será característica do período românico até o século XII (embora as outras duas formas mencionadas também ainda fosse usadas), quando será substituída pelo modelo gótico, que encurta um pouco os lados dos braços nas barras. O modelo gótico perdurará no Ocidente até o século XV, sofrendo apenas variações na sua decoração, mas havendo uma grande uniformidade na forma.

Vitral do século XII na Abadia de St-Denis retratando o Abade Suger. A Casula já segue o modelo gótico.

Detalhe de um afresco de Giotto na Basílica de São Francisco em Assis, século XIV. Nela vemos um presbítero usando uma casula gótica ricamente decorada.
A partir do século XVI, por maior praticidade, passa-se a encurtar cada vez mais as laterais das casulas, até que em finais do século XVII chega-se ao modelo hoje conhecido como casula romana e que foi o mais utilizado no Rito Romano até o Movimento Litúrgico do século XX recuperar o uso das casulas góticas, que se tornaram novamente comuns após a reforma litúrgica de 1969. Contudo, as casulas góticas atuais geralmente são mais simples e de tecidos mais leves que as medievais. Há também as casulas semi-góticas surgidas no século XX que consistem em uma versão mais curta da casula gótica.

Pintura do século XVII retratando São Felipe de Néri. Nela já vemos um modelo de casula bastante encurtado nas laterais dos braços.

Pintura de Jeronimo Jacinto, século XII, retratando uma Missa. Nela vemos o modelo de casula que originou a conhecida casula romana.

Fotografia da década de 1960 de São Josemaría Escrivá celebrando Missa usando uma casula neo-gótica.

Uso na forma ordinária

A casula é usada sempre sobre alva e estola, preferencialmente com amito e cíngulo; por conta do seu significado atrelado ao sacrifício, a casula é usada unicamente na missa. Única excessão é a celebração da Paixão no Senhor, na qual não se celebra verdadeiramente a missa, apenas recorda-se da Paixão Salvífica de Cristo.
O bispo, nas missas mais solenes, usa casula sobre a dalmática. Nas concelebrações, por conta de um número elevado de concelebrantes, esses podem ser dispensados do uso da casula, não porém, o celebrante principal.
Entretanto, seria louvável que as dioceses tivessem conjuntos de casulas no número dos seus padres. Ainda que simples e todas da cor branca, elas proporcionariam uma beleza visual na uniformidade das vestes dos concelebrantes, além de mostrar maior clareza na unidade sacerdotal.

Sua Santidade durante a celebração da Paixão do Senhor
Durante as procissões e para a bênção do Santíssimo Sacramento usa-se pluvial da cor da missa em que se encontram. Retira-se, ainda, a casula para o lava-pés, para a unção do altar e para a adoração da cruz na celebração da paixão.

Retirando-a para a unção de um altar
Além disto, não retira a casula para nenhum outro rito durante a celebração da Santa Missa.

A transladação do Santíssimo Sacramento, na Quinta-feira Santa, é feita com véu umeral sobre a casula e não sobre o pluvial

Uso na forma extraordinária
O uso é semelhante ao da forma ordinária, com algumas poucas modificações.No início da celebração, para o rito de asperges, usa-se pluvial. Na celebração da paixão, só se usa casula durante uma das partes da liturgia. Na vigília pascal, a casula é retirada em certos momentos; por exemplo, se não há dioácono, o celebrante retira a casula e veste dalmática para a proclamação da páscoa.

Padre vestindo a casula após retirar o pluvial, usado durante o rito de asperges
Os sacramentos que ocorrem durante a missa e a homilia, não são consideradas partes da mesma. Todavia, o sacerdote não retira a casula em nenhuma dessas ocasiões. Para a homilia, pro exemplo, retira apenas o manipulo. Para os sacramentos que são realizados imediatamente antes da celebração da missa, usa-se pluvial geralmente.
Existe ainda uma permissão para o uso da casula quando não se celebra a missa, numa situação muito particular: para se impor as mãos sobre os que vão ser ordenados presbíteros pode-se usá-la sobre estola e sobrepeliz; mas apenas durante o rito, pondo-se antes e retirando-se depois. Para a procissão do Santíssimo Sacramento usa-se casula com véu-umeral, semelhante à transladação do Santíssimo na forma ordinária.
Recebimento da casula
A casula é vestida pela primeira vez na ordenação presbiteral. Logo após a imposição das mãos e oração consecratória, o padre retira a estola diaconal, põe a presbiteral e, sobre ela, a casula. Posteriormente, segue o rito de ordenação com a unção das mãos.
Na forma extraordinária, o sacerdote recebe a casula amarrada na parte posterior, sendo chamada casula plicada. Ele permanece com ela do momento que a recebe até o final da celebração. Quando o bispo diz sobre ele a oração: "Recebei o Espírito Santo, aqueles a quem perdoardes os pecados, eles serão perdoados; aqueles a quem não perdoardes, eles serão retidos." Então as casulas são desamarradas.

padres com casula plicada

ao final da celebração, os novos sacerdotes tem as casulas desamarradas
na forma ordinária, o neo-sacerdote usando casula sem amarras desde a recepção

Oração ao paramentar-se


"Domine, qui dixisti: Iugum meum suave est, et onus meum leve: fac, ut istud portare sic valeam, quod consequar tuam gratiam. Amen."


"Senhor, que dissestes: O meu jugo é suave e o meu peso é leve, fazei que o suporte de maneira a alcançar a Vossa graça. Amém."


A oração para vestir a casula é a última parte da grande oração para paramentação, conlui-se com "Amen". Ela fala da casula como "julgo suave de Cristo" e recorda a cruz que aparece em vários modelos.


Alguns equívocos em relação aos modelos de casula
  • Na forma ordinária usa-se casula gótica e na forma extraordinária, romana.
Errado. Todos os modelos de casula (gótica, romana, neo-gótica, etc) podem ser usados em ambas as formas do rito romano. Igualmente, ambas podem ser usadas pelo bispo com dalmática pontifical.

Dom Raimund Burke celebrando com casula neo-gótica na forma extraordinária

João Paulo II celebrando, na forma ordinária, com casula romana.

  • Os (con)celebrantes devem usar todos o mesmo modelo de casula
Errado, mas com ressalvas. É, sim, permitido que, numa mesma celebração, alguns sacerdotes usem um modelo de casula e outros usem outro. Por exemplo, o bispo usa casula gótica e os seus sacerdotes, casula romana; ou ainda, os já sacerdotes usam casula romana e os que se estão ordenando, gótica. O que não se pode fazer é misturar dois ou mais modelos, se disso resultar uma combinação desarmônica, que fuja ao bom senso litúrgico.


O celebrante endossa casula romana e os concelebrantes usam góticas

  • Casula é diferente de planeta (pianeta)
Não exatamente. Casula (gótica) e planeta (romana) já foram tidas como peças sensivelmente diferentes. Por algum tempo o sacerdote para usar a casula gótica necessitava da autorização do ordinário do lugar. Atualmente, depois da publicação do missal de 1962, os dois modelos foram equiparados em todos os aspectos. Sendo assim, casula e planeta podem ser tratador como sinônimos, por mais que alguns usem cada um dos nomes para se referir a um modelo.

  • Quando se usa casula, a estola é dispensável
Errado. Sempre que se usa casula é obrigatório o uso da estola. O Galão é um ornamento presente na casula que não faz as vezes da estola, sendo assim não se pode suprimir a estola por conta desse elemento. Vale a pena ressaltar ainda que a estola usa-se sempre sob a casula e nunca sobre ela.


Fotos de diversos modelos na atualidade


Papa Bento XVI usando uma casula gótica verde.
Usando casula branca (tons de dourado) durante a benção na Páscoa.
Bordado de cruz em casula romana, simbolizando o julgo suave de Cristo.

Casula romana com gola redonda.

Cardeal com casula romana com gola em trapézio.

Papa Bento XVI usando casula gótica com galão, decoração em forma de coluna.
Casula com cruz trífida, que nasce como uma faixa indo até o pescoço, ramifica-se nos ombos e volta a juntar-se nas costas.


Caráter Sacrificial e obrigatoriedade da casula
No decorrer dos séculos, como vimos, a casula teve seu uso resumido aos sacerdotes. Não tardou para que fosse atruído à casula uma imagem de "veste do sacerdote". A casula foi comparada o manto que deveriam usar os judeus ao imolar o cordeiro para a páscoa, como foi ordenado na lei de Moisés. Assim como faziam os sacerdotes daquele povo, fazem os do povo cristão: imolar o cordeiro estando cingidos e vestidos com o manto.
A relação entre casula e o caráter seu sacrificial é tão notável, que alguns protestantes deixaram de usar a casula para indicar que não se realizava ali verdaeiramente um sacrifício. A omissão da casula, por mais que não deva ser diretamente relacionada com a negação desse dogma, deixa de expressar essa belíssima realidade presente na Santa Missa que é a celebração do sacrifício incruento de Cristo.


Representação de Cristo com vestes pontificais, indicando assim que é o Sumo-sacerdote. Ele usa alva, estola, tunícela, dalmática e, sobre tudo isso, a casula.

Ademais, a casula é prescrita nas rubricas como veste de uso obrigatório para a celebração da missa. Diferentemente da dalmática, a casula não é veste festiva, mas veste diária; o que não impede que se tenha casulas mais enfeitadas para as solenidades e mais simples para as missas diárias.


Bibliografia

História da Casula

Por Rafael Diehl

  • RIGHETTI, Mario. Historia de La Liturgia. Madrid: Biblioteca de Autores Cristianos, s/d;
    JUNGMANN, Josef Andreas. Missarum Solemnia: Origem, liturgia e história da missa romana. São Paulo: Paulus, 2009.
Demais ítens

Por Kairo Neves
  • Caeremoliane Episcoporum 56, 62, 65, 66, 301, 322, 534, 902, 946;
  • Introdução Geral do Missal Romano 119, 209, 336, 337;
  • Curso de Liturgia do Padre Reus, caput II.

Nenhum comentário:

Os Mais Vistos